Observatório Alviverde

25/05/2013

KLEINA USA A INTELIGÊNCIA E ESCALA, NA ESTRÉIA NA SÉRIE B O MELHOR TIME POSSÍVEL PARA DERROTAR O ATLÉTICO GOIANIENSE!

 

O Atlético Goianiense, que ninguém se iluda, será um osso duríssimo que o Palmeiras terá de roer esta tarde na exagerada Itu.

Não gosto e nem atribuo o mínimo valor às retrospectivas e ao histórico dos confrontos do Verdão com as outras equipes.

Entretanto, vejo-me obrigado, agora, a recorrer à matemática histórica para que tenhamos  a dimensão aproximada da força e da importância adversário de hoje, que, muita gente ainda julga ser um timinho qualquer da capital da música caipira, GoIânia.

É evidente que os números provam que o palmeirense não pode falar, como alguns dos nossos falam, desafiadoramente, de favoritismo, de jogo ganho e coisa assim.

Embora o rubro-negro campineiro, campineiro, sim, não seja um adversário a ser temido, é um adversário a se respeitado. Muito!

Da mesma forma que não se fale em qualquer tendência ou influência negativa dos números em relação ao Palmeiras no jogo de hoje, porquanto a estatística é morta e ela, em sí, jamais ganhou qualquer jogo ou campeonato.

Como dita o bom senso, o histórico das confrontações entre Palmeiras e Atlético GO é para ser pensado, contado, pesado, analisado e considerado, sobretudo para efeito motivacional do elenco.

No momento atual, reconheça-se, em nada interfere a cada nova partida disputada na renovação dos confrontos e das rivalidades.

De qualquer forma, serve para realçar e ressaltar, em última análise, a pedreira que nos espera e que esse tradicionalíssimo clube de Goiás sempre representou e representa quando enfrenta a SE Palmeiras.

Para poupar os ilustres locutores do Sportv de se preocuparem em conseguir o inútil material histórico, sempre divulgada à exaustão nas transmissões do canal e nos caanis PFC em prejuizo da identificação de quem está com a bola (Milton Leite é um mestre neste quesito) deixo um site na web com um completo relato histórico do jogo.

http://www.ogol.com.br/confronto_equipas.php?op=ver_confronto&equipa_1=2248&equipa_2=3129

Milton Leite que aspira a titularidade global como sucessor de Galvão – tem talento para tal – precisa ser um pouco mais arguto e observador.

Ele precisa tomar conhecimento que, hoje, a audiência do canal em que trabalha transcendeu o trivial e o imaginável e está, muito mais na Web do que no ar.

Os computadores, já há algum tempo, estão tomando conta da audiência, mas Leite e e a maioria dos narradores parecem não tomar conhecimento disto e nem acompanhar a modernidade;

Eles têm de raciocinar que estão, também, narrando para essa nova legião de expectadores, a maioria, aliás, principalmente quando o jogo rola no PFC..

Em razão disso, têm de ter a sensibilidade para reconhecer que os CPUs fornecem uma imagem pequena, nem sempre perfeita, na maioria das vezes ininteligível.

Por conta disto eles deveriam limitar-se a conduzir com fidelidade o audiovisual televisivo, porquanto, em muitas circunstâncias os “webexpectadores” ficam sem saber quem está com a bola.

Cabe ao narrador identificar o atleta que participa do lance, sem que se perca em introduzir cacos e informações inúteis, mormente as manjadíssimas e irritantes estatísticas, em detrimento do relato do jogo.

Tais informações cabem e têm de ser inseridas na transmissão, somente se o jogo estiver paralizado ou na emergência de uma transição de jogada.

Jota Júnior conseguiu eliminar em 90% esse vício de narração consagrado por Galvão Buneo e tem transmitido muito bem,

Não exagero ao dizer que, atualmenbte, ele se encontra um pouco à frente de todos os globais, cujas narrações são irritantemente hibridas;

São relatos que envolvem narração, comentários colocados como mais importantes do que os dos comentaristas, indução do comentarista a análise do locutor, mais cacos, dados estatísticos e outras bobagens.

Tudo isso enquanto a bola rola solta e os jogadores que estão participando dos lances na tela, ficam de três a cinco minutos sem terem os seus nomes mencionados.  Uma grande empulhação!

Para quem não sabe, a narração comentada – horrível  para quem ouve e para os comentaristas que viram meros coadjuvantes – foi adotada por Galvão Bueno em razão de sua decadência vocal.

Foi assim:

Um dia ele constatou que houvera chegado ao triste ponto de não conseguir, sequer, gritar um gol com a afinação desejável.

Como recurso de sobrevivência no veículo televisão, lançou a desagradável transmissão comentada.

Como tudo que é ruim é copiado, Galvão acabou como o precursor da forma mais irritante de narrar futebol pela TV.

Não foi a toa ou por mera coincidência a campanha “cala boca Galvão” realizada na Copa de 2010, mas, faz tempo que ninguém aguenta mais ouvir os relatos comentados dele, e de seus seguidores, como Kléber Machado, este, ainda pior, porque tem um timbre de voz muito mais adaptado e afeito à função de repórter.

Aliás, não sei porquê estou discorrendo sobre esse assunto, quando, na realidade, eu nem sei quem irá transmitir o jogo do Verdão esta tarde no PFC.

Mas quem quer que seja o narrador, que pense muito nesse aspecto que levantei porque se trata de uma nova tendência, e consquentemente, de uma nova realidade da audiência da tv fechada no segmento esportivo.

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

SOBRE O JOGO:

É óbvio que a desvantagem palmeirense na estatística, não tem, absolutamente, nada com as perspectivas do jogo.

Na última vez que se enfrentaram, Palmeiras e Atlético tinham times muito diferentes dos que serão escalados logo mais.

Kleina anuncia o time do Palmeiras sem o meia-boca Souza – ótimo que esteja saindo e que seja feliz em outro lugar – sem Wesley e sem Marcelo Oliveira, mas com Juninho fechando a defesa pelo setor esquerdo e representando uma formidável opção ofensiva pela ala esquerda;.

Na frente, terá três atacantes – Vinicius, Kléner e Leandro - que, segundo Kleina, terão de marcar a saída de bola do adversário.

Gosto da forma como o Palmeiras vai para o jogo, claro, preocupado sim em se defender, mas sem deixar de, ao menos teoricamente, atacar o adversário.

Creio que Kleina está sendo inteligente e que não vai deixar que o time se aliene em campo e jogue, exclusivamente, na defesa.

Diante da pobreza franciscana de atacantes em nosso elenco atual, Kleina dá uma mostragem efetiva de maturidade e conhecimento, próprios de quem sabe onde residem os maiores problemas da equipe.

Por isso,  ganha pontos comigo, independentemente do resultado da partida.

Gosto da forma ousada que Kleina vai colocar o time para jogar e torço para  o Palmeiras entre em campo motivado e colha os primeiros três pontos da campanha que vai, se Deus quiser e ele quer,  marcar a volta palmeirense à elite do futebol brasileiro, justamente no ano de nosso centenário, em 2014.

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

O time que começa o jogo:

Bruno, Ayrton, Henrique, Ramos e Juninho. Araújo, Charles e Thiago Real. Vinicius, Kléber e Leandro.

Em minha opinião Kleina coloca em campo a melhor formação e aquilo que tem de melhor.

O importante é que terá boas alternativas para substituir haja vista que além do goleiro Fábio, terá André Luiz e Marcelo Oliveira para a defesa, optando por mais quatro jogadores entre Wesley, Ronny, Maicon Leite, Caio e Serginho, que ainda não estreou.

Um fator importante esta tarde no confronto do Palmeiras com o rubro-negro goiano é a arbitragem. São estes os árbitros escalados:

DATA: 25/05/2013 (SÁBADO) às 16:20

ESTÁDIO: NOVELLI JÚNIOR/ITU

PALMEIRAS/SP x ATLÉTICO/GO

A: FELIPE GOMES DA SILVA/PR (ASP/FIFA)

A1: BRUNO BOSCHILIA/PR (ASP/FIFA)

A2: IVAN CARLOS BOHN/PR

QUE A ARBITRAGEM NÃO INTERFIRA NO RESULTADO DO JOGO, SÃO OS NOSSOS MAIORES E MELHORES VOTOS!

@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@@

ENTÃO, COMO É QUE É, GALERA…

O PALMEIRAS É O FAVORITO?

VOCÊ CONCORDA QUE KLEINA ESTÁ SENDO CORAJOSO E COLOCA EM CAMPO AQUILO QUE TEM DE MELHOR?

COMENTE COMENTE COMENTE

6 Comentários:

  • Às 25 de maio de 2013 13:39 , Anonymous Edson disse...

    Alcides e colegas do blog, mesmo à distância e fora do país verei o jogo do Palmeiras. Estou num hotel que tem wi fi e verei pelo notebook.
    Espero dar sorte e ganharmos o jogo.

    Li que o globosta aumentou o valor do PPV da segunda, que é maior que o da primeira.
    Alguém agora tem dúvidas que se aproveitou a oportunidade de afundar o Palmeiras para alavancar as vendas do PPV?
    Um dos times que mais vende o PPV na segunda? A quem poderia interessar?

    Eu não comprei.
    Preferi comprar um site da internet, com origem na Holanda (onde verei o jogo de hoje), por 9,00 reais mensais. Ligo com o cabo HDMI na TV e fim de papo.

    Eu quero que a rede esgoto de televisão vá à pqp.

    Não assine o PPV, arrume uma alternativa.

     
  • Às 25 de maio de 2013 14:52 , Anonymous Anônimo disse...


    Boa definição neste blog:

    http://blogdomenon.blogosfera.uol.com.br/2013/05/24/gilson-kleina-aposta-em-time-ofensivo-comecou-a-
    enteder-o-palmeiras/


    Meu time titular, considerando os melhores no elenco:

    Prass, Wesley, Tiago Aves, Henrique e Fernandinho; Vilson, Léo Gago, Ronny e Valdivia; Leandro e Serginho.

    Bora ganhar Palestra!!!

    Dinho Maniasi

     
  • Às 25 de maio de 2013 15:04 , Anonymous Blog do Menon disse...

    muito bem

    Gílson Kleina definiu o Palmeiras que estreia na Série B com Charles e Márcio Araújo como volantes, Tiago Real como meia e o ataque com Leandro e Vinícius pelos lados e Kleber no meio. Muito bem. Acho perfeito. Até há pouco tempo, ele jogava com quatro – QUATRO – volantes, os dois de agora, mais Vilson (ou Leo Gago) e Wesley. É um avanço.
    Wesley tem sido uma decepção ou esperavam muito dele? No Santos e no Furacão, foi bem nas três funções pelo lado direito: lateral, volante ou ponta que ajuda na marcação. Com Kleina, tinha de armar o jogo. Não é a dele.
    Ao optar por um time ofensivo, Kleina está mostrando que o Palmeiras é um clube grande, o maior de todos que disputará a segunda divisão. É um aviso não verbal aos concorrentes. Eu gostaria mesmo é que esse aviso fosse vocalizado. Que o treinador dissesse: o Palmeiras é favorito e, se não for campeão, eu ficarei aborrecido com meu trabalho.
    Estaria colocando pressão no seu trabalho? Sim, e é muito bem pago para isso. Estaria dando uma arma para os outros times se entusiasmarem? Sei lá, sempre achei essa conversa de incentivo uma bobagem, um mito. Pior é aquela de que o time visitante precisa aguentar 15 minutos para quae a torcida se volte contra o time da casa.
    Kleina precisa assumir que está, pela primeira vez na vida, dirigindo um gigante. Não adianta ficar dizendo que tem orgulho do time, que a luta do time emociona, que caiu de cabeça erguida…. Tem é que ganhar. Tem de jogar para ganhar. Tem de mostrar sua superioridade.
    Ao apostar em um time leve e talentoso, está dando o primeiro passo.

     
  • Às 25 de maio de 2013 16:04 , Anonymous Anônimo disse...

    está errado.

     
  • Às 25 de maio de 2013 17:12 , Anonymous Edson disse...

    Pessoal, precisamos urgentemente de um centroavante.
    O Kléber não sabe dominar a bola.
    Falta cacoete de jogador para ele.
    Qualquer mané preparado fisicamente faz o jogo dele.

     
  • Às 25 de maio de 2013 22:06 , Blogger Miguel disse...

    Ganhamos mas foi daquele jeito, bem serie b. Haja paciência.

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial