Observatório Alviverde

23/11/14

COXA X PALMEIRAS EM CURITIBA. É PRECISO JOGAR COM HUMILDADE, DE OLHO NO REGULAMENTO!




 Uma boa retranca, hoje, pode ajudar a salvar o Verdão

O Palmeiras terá de jogar contra o Coxa, esta noite, em Curitiba, no melhor estilo de Dorival: primeiro, para não perder, e, depois, -só depois-, se possível, tentar vencer. 

De nada adiantam as exortações da mídia palestrina ou dos torcedores, no sentido de que o time tenha atitude, tome as iniciativas, parta pra cima, mostre que é grande, envolva o adversário e que liquide o jogo bem cedo. Isso tudo não passa de sonho! A realidade, em campo, é outra, bem outra!

Por conta das limitadas condições técnicas do time, o Palmeiras, tem, isto sim, de atuar com humildade, inteligência, sempre de olho no regulamento. 

Muito mais do que o Palmeiras, o Coritiba, precisa dos três pontos e será instado por sua torcida a partir pra cima do adversário. O Palmeiras tem de saber esperar o Coxa e usar, com muito espaço, o artifício do contra-ataque! 


O Palmeiras deveria ter jogado assim contra o Sport, de forma precavida, buscando, nem que fosse um ponto, que nos daria, a esta altura, uma outra perspectiva na competição.

Entretanto, as circunstâncias festivas da absurda inauguração da Arena, (festa e trabalho jamais combinaram), impediram, psicologicamente, que o time adotasse o procedimento e o resultado foi uma fragorosa derrota de 0 x 2.

Jogando de peito aberto e com o coração cheio de amor pra dar, o Palmeiras, abdicou de atuar com o regulamento nas mãos, o que, certamente, faria, fosse o jogo contra os pernambucanos disputado no Pacaembu. Cantei essa pedra aqui no Blog, com muita antecipação!

Hoje, repete-se a perspectiva, sob um impacto psicológico ainda mais grave! 

O time do Palmeiras, limitadíssimo, com pouca força espiritual, pouco moral, defensivamente vulnerável e ofensivamente estéril, terá de ser, forçosamente, oportunista!

Terá de jogar fechado, encastelado, mas com muita inteligência, passando a responsabilidade da busca pelo resultado ao Coxa que joga em casa sob a ameaça de rebaixamento e que, em razão disso, será muito cobrado por sua torcida.

Nessas circunstâncias, o Palmeiras terá de ter marcadores tipo carrapato no craque Alex e no habilidoso centro-avante Joel. 

Da mesma forma terá de marcar forte o lado direito do Coxa, e saber contratacar pelo mesmo setor, no costado do lateral que avança, acertando a saída de bola.

Para, simplesmente, atacar, terá de saber usar o lado direito, com João Pedro. Espero que, desta vez, o garoto não seja ignorado por Wesley nem por qualquer outro jogador que cambe por aquele setor.

É evidente que com a escalação de Valdívia, se ele conseguir permanecer no jogo até o fim em boas condições físicas, o Palmeiras terá outras alternativas de jogo pois passará a ser um time agudo e contundente!

Mas a escalação do chileno, como sempre, no sacrifício, vem acompanhada de uma cruciante dúvida! Quanto tempo o mago estará inteiro em campo, apto a jogar?  Repetir-se-ão as cenas do jogo contra os bambis em que ele deixou o campo com apenas treze minutos? É possível! É possível! É possível!

Por isso que eu, eu, exclusivamente eu e muito eu, entraria com o time sem Valdívia e só o colocaria em campo, houvesse necessidade, a partir de um momento em que o adversário estivesse cansado e seus marcadores, carregados de cartões e, ainda assim, se necessário.

Um simples ponto, hoje, será suficiente para que o Palmeiras, por seu próprio esforço, se sustente, provisoriamente, como é ideal daqui ao final do Brasileiro, à frente de, ao menos, quatro camisas: Criciúma, Bahia, Botafogo e seu adversário de hoje, o Coritiba.

Paralelamente, terá de torcer para que o Figueira derrote o Vitória em Floripa e para que o Bota vença a Chapecoense em Chapecó.

Esses resultados independem do Verdão, mas, se espera que os acasos da tabela venham a favorecê-lo. Antes disso, porém, o Verdão terá de fazer a necessária "lição de casa"!

Um empate, nesses dois jogos, não seria de todo mal, embora sejam, sempre, melhores, as derrotas de Vitória e Chapecoense. Quanto mais camisas atrás da nossa, maiores serão, sempre, as nossas chances de supervivência.

O importante é que são dois resultados lógicos e factíveis com forte tendência a ocorrer, e, para a sorte de Nobre, não exigem o apoio da dispendiosa mala branca.

O Botafogo, a exemplo do Palmeiras, luta para se manter na elite e, para atingir esse objetivo, não pode mais perder ou empatar. Está com 33 pontos e, a depender de outros resultados, pode se safar com 42.

Se perder em Chapecó, o time de General Severiano só terá a condição de chegar aos 39 pontos, e essa pontuação, a mesma, atualmente, do Palmeiras, não terá condições de salvar ninguém, na atual circunstância do campeonato.

Desde quando passou a ser disputado por 20 clubes, de 2006 aos dias de hoje, só o Atlético GO conseguiu salvar-se com 42 pontos.

Em contrapartida, o Coritiba, caiu em 2009 com 45 pontos. O Curica, em 2007, o Figueira em 2008, Portuguesa e o Vasco em 2013 foram rebaixados com 44 pontos. O Palmeiras está correndo enorme perigo!

O Figueira, praticamente, classificado, em razão da surpreendente derrota do Bahia, ontem, em Salvador, mesmo tendo consolidado a sua permanência na elite, ainda é um time mobilizado para o jogo de hoje contra o Vitória e isso é bom para o Palmeiras. 

A propósito, teria Nobre, pessoalmente, ligado ao presidente do Figueira para um contato que possa reforçar o interesse do time no jogo de hoje? 

Teria, também, ligado, ou, no caso, mandado Brunoro se comunicar com Argel Fucks, ex-zagueiro do Verdão e dizer que pode necessitar de seus serviços como técnico revelação em 2.015?

Sem pessimismo, mas, investido do mais puro realismo, o Coxa x Palmeiras de hoje, reveste-se de uma condição extrema de conservação e sobrevivência na vida do Palmeiras, na medida em que uma derrota para o Coxa, poderá ser fatal e levar o Verdão ao óbito e ao ignominioso título de tri-rebaixado!


Leiam o que publicou a GAZETA DO POVO, de Curitiba:

(SIC)

 Seis motivos para acreditar na vitória do Coritiba sobre o Palmeiras

Torcedor do Coxa tem por que acreditar em um bom resultado diante do adversário direto na luta contra o rebaixamento domingo


O torcedor do Coritiba que irá ao Couto Pereira neste domingo (23) tem razões para acreditar em uma vitória sobre o Palmeiras. Apesar de figurar na zona de rebaixamento, com 38 pontos, o Coxa entra confiante após arrancar um bom empate diante do Vitória, em Salvador, na última rodada. No embalo do histórico 6 a 0 da Copa do Brasil de 2011, a Gazeta recorda seis razões pelas quais o torcedor do Coxa pode esperar um triunfo diante dos paulistas.


O apoio da torcida tem feito a diferença ao Coritiba, desde a chegada do técnico Marquinhos Santos. Com o atual treinador, o Coxa fez nove partidas no Couto Pereira, vencendo seis e empatando duas. A única derrota veio diante do líder Cruzeiro. O aproveitamento em casa com o treinador é de 74,1%, valor que colocaria o Alviverde entre os quatro primeiros da Série A – apenas Cruzeiro, Internacional e Atlético-MG têm melhor performance como mandante.

Tabu

Além do bom desempenho nas partidas recentes no Couto, o Coritiba enfrentará um adversário que não costuma ter sucesso quando vem a Curitiba. A última vitória do Palmeiras na casa do Coxa aconteceu em março de 1997, pela Copa do Brasil. Desde então, foram 11 encontros, com os paranaenses levando a melhor em seis oportunidades, além de cinco empates.

Momentos

O Coritiba chega ao confronto em momento melhor. Apesar da incômoda 17ª colocação, a equipe reagiu, fazendo sua parte nos jogos em casa, e conseguindo empates como visitante. As boas atuações tiraram o Coxa da lanterna, devolvendo a esperança em permanecer na elite. O Palmeiras, por sua vez, perdeu rendimento na reta final. O time paulista perdeu as últimas três partidas, sendo duas delas diante de sua torcida.

Pressão

O Palmeiras vem a Curitiba bastante pressionado. O time entrou no ano do centenário com grandes expectativas, mas teve um 2014 frustrante até o momento. No Paulista, acabou eliminado ao perder em casa para o Ituano, enquanto o sonho da Copa do Brasil foi abreviado nas oitavas de final, com duas derrotas para o Atlético-MG. Para piorar, a inauguração do Allianz Parque, novo estádio, veio com mais um vexame na última quarta-feira: o Sport venceu por 2 a 0, causando protestos de torcedores alviverdes, que picharam o portão da arena.

Esquema tático

Após dois jogos sem contar com o trio de zaga titular, o Coritiba poderá voltar a adotar o esquema com três zagueiros no domingo. A formação com Luccas Claro, Welinton e Leandro Almeida entrou em campo duas vezes, contra Corinthians e Fluminense, e o desempenho agradou. Contra o Timão, em São Paulo, o Coxa vencia até os 50 minutos do segundo tempo, enquanto diante do Flu, no Couto, um gol de Joel deu a vitória. Foram quatro pontos contra dois adversários que estão na briga por uma vaga na próxima Libertadores.

Joel

A possibilidade do retorno do trio de zaga é um alento ao torcedor, mas a vitória passa pelo bom desempenho dos jogadores de frente. E o grande nome do Coritiba chegou no Couto há apenas dois meses e meio: o atacante camaronês Joel jogou apenas 16 partidas, mas já deixou sete bolas nas redes adversárias. Mesmo atuando apenas no segundo turno, o atacante já é o artilheiro do Coxa no Brasileirão.

-------------------------------------------- 
MEUS AMIGOS

Essa publicação da mídia paranaense muito me anima, na medida em que ela evidencia que os paranaenses estão providos do destrutivo excesso de confiança!

Ninguém ganha um jogo por antecipação e o texto pode estar traduzindo o verdadeiro sentimento dos jogadores do Coxa.
--------------------------------------------

Não sei qual o time que Dorival vai escalar, a tática que vai adotar e a filosofia com que vai pautar o time neste confronto decisivo.

De minha parte, pelos motivos apresentados, sou favorável a uma postura fechada, em face da circunstância de obrigação de vitória do adversário ao qual não restará alternativa, jogando em casa, de partir para cima do Verdão, na tentativa de fazer o resultado.

Querem saber o meu time?

Prass, João Pedro, Lúcio, (na sobra) Nathan (marcando e acompanhando Joel)  e Juninho. Renato, Washington (como sombra de Alex) , Wesley e Victor Luís. Diogo (Bernardo) e Henrique.

Sem Valdívia? Sim, sem Valdívia, a princípio, no banco, a não ser que ele garantisse que tenha amplas condições de jogo! Se estiver meia-boca, o risco de perdê-lo para o jogo e, sobretudo, para os dois jogos finais contra Inter e Atlético Pr, é imenso!

Como frisei, eu preservaria o Mago até onde fosse possível e, se houvesse condições de conseguir um grande resultado sem ele (é difícil) eu o manteria no banco, reservando-o para os dois jogos finais, com certeza, os decisivos. Isto, repito, se for possível! Mas, como saber se será possível se não for tentado?

Depois de desfalcar o Palmeiras na derrota para o Sport por 2 a 0, na quarta-feira (19), o meia-atacante Valdivia foi reavaliado neste sábado (22) e está liberado para enfrentar o Coritiba, no domingo (23), às 19h30, no estádio Couto Pereira, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.


COMENTE COMENTE COMENTE 
Obs: Quem tem fé e acredita, faça, por favor e por amor,  uma pequena oração antes do jogo! Peça para que as legiões da luz do Arcanjo Miguel, impeçam que os espíritos tenebrosos mandados pelo macumbeiro curintiano Pai Nilson (ele é funcionário e está na folha de pagamento deles) para prejudicar o Palmeiras, não tenham força para interferir no Coxa x Palmeiras.  Que vença quem jogar melhor e tiver maiores méritos. Infelizmente, há anos, o Palmeiras não se defende e nem tem quem o defenda no mundo espiritual. Daí essas situações todas que vivemos , que os ignorantes e os fanáticos religiosos chamam de superstição. Lembrem-se, todos, que o mundo em que vivemos -a ciência comprova- é uma dualidade formada pela matéria e pela energia (AD)