Observatório Alviverde

01/11/2014

PAULO NOBRE, UM PRESIDENTE RICO, MAS DE MENTALIDADE MUITO POBRE!





O slogan acima não reflete o pensamento deste blogueiro.

Deu na UOL:

"Nobre defende austeridade e 

critica esforço para ganhar 

Brasileiro de 2009".

-----------------------------

Também defendo e vou defender, sempre -instransigentemente-, austeridade administrativa no Palmeiras. 

O clube, de fato, precisa de austeridade, mas na medida certa de suas demandas. Não significa, porém, que tenha de parar de investir! 

O Palmeiras terá de ter, sempre, um fluxo de caixa que lhe permita uma sobrevivência digna através de uma rolagem funcional e contábil que atenda às exigências de mercado, sem prejuízos para o futebol profissional.

Por isso, até ontem, eu não ficaria nem um pouco aborrecido se Nobre continuasse presidente, mesmo convencido de que, de bola, ele sabe muito pouco, quase nada!

Confesso, no entanto, mudei, em parte, a minha opinião sobre o nosso jovem presidente, após ter lido a entrevista que ele concedeu ao portal UOL e ao Grupo Folha, que todos podem ter acesso e acompanhar neste endereço: 

https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=7510826915838490470#editor/target=post;postID=5324253178650669534

Causou-me espécie e desconforto ver Nobre, em um órgão de  mídia hostil ao clube, criticar, cruelmente, cinco anos decorridos, o legítimo e louvável esforço de Belluzo por ganhar o título Brasileiro de 2009! Foi, simplesmente, revoltante!

Que ele falasse de seus projetos, realizações e apresentasse as explicações para vários erros ocorridos no futebol, em sua admnistração, tudo bem! 

Mas, criticar a gestão Belluzo, uma das poucas que, mesmo errando, (errou muito) tentou acertar e respeitou a torcida, não dá para tolerar.

Foi uma completa falta de compostura, de ética e de visão, que me permitem concluir que o título desta postagem (eu tinha dúvidas) é justo e, rigorosamente, certo: 

"PAULO NOBRE, UM PRESIDENTE RICO, MAS DE MENTALIDADE MUITO POBRE"!

Considerando-se que Belluzo, nome de peso e respeito dentro e fora do Palmeiras, é candidato a vice-presidente em outra chapa, as declarações de Nobre constituiram-se, ao meu sentir, em uma ação de politicalha rasteira, tipo a que rolou e grassou, à beça, no último pleito presidencial. 

Detalhe: A Arena só está em pé porque Belluzo encarou os conservadores e enfrentou de forma desassombrada e corajosa, o turco, seus imbecis seguidores e a vasta horda de retrógrados que pululam em nossa Sociedade Esportiva! 

Felizmente, Belluzo, com personalidade, luta, perseverança, e, principalmente, com autoridade, a todos derrotou. Mas, quem venceu foi o Palmeiras! 

A Allianz Arena, agora, já não é mais um sonho. É, mais do que um presente, uma dádiva, uma indesmentível realidade! 

Obrigado, Belluzo e todos os verdadeiros palmeirenses que por ela propugnaram, lutaram e, gloriosamente, a conquistaram.

A nossa Arena, a mais bela, funcional e mais moderna praça esportiva das Américas, construída sem a demagógica esmola governamental, exclusivamente à nossa custa, é, por extensão, uma das melhores do planeta.

Sem qualquer receio de errar ou de cometer injustiças, ouso afirmar que ela, per si, releva, retifica e justifica todos os possíveis erros de Belluzzo, enquanto presidente!  Pena que não seja ele, Belluzo, o candidato ao cargo máximo!

Francamente, eu não esperava que Nobre se perdesse no tempo, no espaço e nas ações, revelando, no episódio uma completa imaturidade política!

Por quê, pergunto, tanta média de Nobre com aqueles setores que, há anos, engessaram o Palmeiras e o impedem de crescer?

A alma competitiva do piloto-presidente, parece estar falando mais alto do que os seus senso e razão, em face, creio,  de seu desespero por obter uma sequência aos dois primeiros anos de sua administração.

Nobre -nem é preciso estar dentro do clube para saber-, é o favorito natural nas próximas eleições presidenciais, mas, fique claro, está longe de ser imbatível.

Ele pode enroscar-se em um obstáculo intransponível a que se chama de descenso e, simplesmente, ser triturado no pleito que se avizinha e no qual ele desponta como o grande favorito.

A hipótese é improvável, mas, perfeitamente, possível e factível, a partir de um tropeço palmeirense amanhã à noite na Fonte Nova, contra o Bahia. Livre-nos, meu Deus, disso!

Não sei se é mera impressão minha, mas, parece-me, Nobre anda arredio e esquivo e em seus pronunciamentos, mais agressivo do que normalmente o vemos e conhecemos, muito longe, completamente, de seu modo ponderado de ser, de conviver e de agir.

Os votos que vai buscar nessa ala retrógrada que tanto corteja, vêm de indivíduos (com poucas exceções) mais do que radicais, superlativamente radicalíssimos, que têm em comum o fato de detestar futebol, cultivando esquecer que o Palmeiras nasceu, prioritariamente, um clube de futebol, não um clube de lazer!

São eles, justamente, aqueles que sempre colocam a anacrônica e démodé Sociedade Esportiva, que contem o time, acima do carro-chefe da instituição, o futebol, invertendo as prioridades.

Essa gente não sabe, ou, se sabe, finge não saber, que é o futebol que faz do Palmeiras um patrimônio de amor e de paixão legítimo e inestimável de ponderável parcela do povo brasileiro e, concomitantemente, um expoente esportivo de jaez e âmbito mundiais. 

Que Nobre sensibilizasse ou sensibilize esses eleitores, tudo bem, pois o proselitismo eleitoral, além de fazer parte do jogo democrático, no frigir dos ovos,  consagra que voto é voto, independentemente das posições ou ideologias de quem votou.  

Mas demonizar Belluzzo a fim de fazer média -desse tanto- com essa gente que não faz por merecer integrar um clube da estirpe do Palmeiras, aí já é demais...

Entendemos, perfeitamente, a obsessão de Nobre por ganhar a eleição, premido pela necessidade de continuar presidente, até porque ele (erroneamente) investiu dinheiro do próprio bolso a fim de viabilizar contabilmente a Sociedade Esportiva.

Em função disso, ele, agora,  tem fundados receios, medos e, por que não dizer, pavores, de que possa vir a sofrer prejuízos futuros em face de inadimplências de novas diretorias as suas concessões de empréstimos ou, de outras ocorrências que possam ameaçá-lo ou levá-lo a milionárias perdas em dinheiro! 

Nobre está presidente do Palmeiras há dois anos, prazo pequeno para que qualquer administrador implante uma filosofia ou, complemente um trabalho adredemente iniciado. 

Considero justo, então, que ele reivindique permanecer por outro biênio, desde que submeta-se, fique claro, à vontade dos sócios.

É imperioso, porém, que Nobre não se esqueça de proceder às necessárias correções das datas de eleição e da ampliação de mandato presidencial, noves fora o seu, pois seria um casuísmo!

Voltando à desconsideração a Belluzo, entendo que as críticas a ele e a sua administração teriam de ter sido feitas, de forma tempestiva, à época dos fatos, não agora, decorridos cinco largos e longos anos.

Este OAV em tempo hábil, criticou Belluzo e, principalmente, Cipullo, outro dirigente que, pelo que mostrou à frente do futebol palmeirense, também sabe pouco da matéria. 

A maior prova do que afirmamos foi a estúpida contratação de Lincoln, milionária, sofrida e demorada. Não, não estou aqui criticando a contratação agora que a banda passou. Critiquei, antes que fosse concretizada!

Criticamos, também, a estúpida dispensa de Luxemburgo, rejeitada por Cipullo, imposta por Belluzo, se é que Luxa saiu, mesmo, por problemas com o moleque Keyrrison. Creio que não.

Também censuramos a administração Belluzo, pela falta de humildade em manter o técnico interino, Jorginho (parte da torcida também é culpada)que se conduzia irrepreensivelmente a partir de quando assumiu o time, após a dispensa de Luxa.

Infelizmente, Belluzo errou, optando pela desnecessária contratação de Muricy, técnico de grife, sem a menor identificação com o Palmeiras e que, a exemplo do atual, Dorival Júnior, não é técnico de impacto tipo Luxa, Picerni e outros, pois precisa de muito tempo para acertar os times que dirige.

O erro palmar de Cipullo ocorreu após uma briga entre Obina (grande centro-avante, fazedor de gols, brilhando ainda hoje no América Mineiro, sub-aproveitado no Palmeiras) com o jovem zagueiro Maurício.

Sem admitir qualquer ponderação, por mais razoável que fosse, (os dois jogadores, expulsos, fizeram as pazes no vestiário)  Cipullo, assumindo a personalidade típica de italianos coléricos, enfezados, arrogantes e sem a mais mínima razoabilidade, os demitiu via rádio e TV,  simplesmente, para aparecer na mídia.

Mas o que são esses erros e esses prejuízos de varejo da administração Belluzo, se, no atacado, o Palmeiras ganhou uma Arena que o famigerado otomano fez de tudo para que não fosse edificada ou saísse do papel?

Nobre disse à Uol que o Palmeiras não pode cometer irresponsabilidades financeiras em nome de uma possível conquista.

Mas a ele eu digo, em contrapartida, que o Palmeiras, nas mesmas proporções, não pode economizar tanto, a ponto de submeter-se às vexaminosas situações de brigar, todo o ano, para não ser rebaixado. 

Isso, sim, é uma irresponsabilidade em graú e importância potencializados!

Nobre, eleiçoreiramente, falou sobre "o reflexo que a busca pelo título do Brasileiro de 2009 tem, até hoje, nas finanças alviverdes", ao que, respondo, "pode, perfeitamente, ter", mas aposto que ele não mencionaria a impropriedade, se Belluzo não fizesse parte da chapa adversária.

Outra declaração de Nobre:

"Não adianta nada brigar pelo título e passar cinco, sete anos pagando a briga pelo título".

Não gosto dessa declaração, pois deixa transparecer que Nobre não fará investimentos visando a títulos. Esse tipo de pensamento é incompatível com a grandeza e com os objetivos do Palmeiras.

 Ele disse, mais:

"A máquina precisa girar, mas se você faz atitude populista trazendo jogadores a qualquer custo... Você pode ganhar ou não, só que fatalmente essa conta vai ter de ser paga um dia. Tem de pensar na instituição, não só no seu governo"  

Ninguém quer que o Palmeiras exagere e contrate todos os jogadores que se destaquem. 

Nem os gambás com as polpudas verbas que lhes repassa, direta e indiretamente o execrável molusco é capaz disso.

Da mesma forma, ninguém deseja que o Palmeiras, como fizeram Cipullo e Belluzo, contrate jogadores superados tipo Lincoln, e outros, iguais, exclusivamente porque têm nome e marketing.

O Palmeiras, ficou provado este ano, tem, mesmo, é de investir forte na base e acreditar nos garotos promovidos, (Nobre, por necessidade, foi muito bem nesse quesito)

Da mesma forma, O Verdão tem de mudar a política e parar de contratar veteranos (Lúcio é o maior exemplo). Precisamos, sempre, oxigenar e renovar o time com jogadores jovens e sangue novo.

Além disso o Palmeiras tem de passar a investir massivamente, prioritariamente, e, muito mais, em atacantes, assim como fazem os nossos três adversários e rivais no futebol paulista, mormente Santos e Cu-rintias. 

Chega desse negócio de "escola de goleiros", de "olé", de academia e de defesa que ninguém passa! 

Precisamos, sim, de times rápidos, ofensivos, agressivos que façam gols e que priorizem as goleadas, não o "olé"!

Quero deixar bem claro que não estou fazendo política contrária a Nobre, da mesma forma que não estou apoiando Belluzzo, Pescarmona ou quem quer que seja nas próximas eleições.

Estou, simplesmente, colocando uma situação de justiça pois um palmeirense da cepa, da consistência e da estatura de Belluzo, que nos deu a Arena e abriu-nos as portas para um futuro melhor e mais ameno, não pode ser atacado da forma injusta que foi, ainda que indiretamente, pela chamada "porta de travessa"!

O que pregamos no Palmeiras é uma união, ainda que muitos afirmem ser ela quimérica e impossível em face das tamanhas discrepâncias de pensamentos e filosofias.

Embora se diga que a água e o azeite não se misturam, ouso propor (do baixo de minha insignificância) uma chapa de coalizão, tarde demais para tornar-se de direito, mas que pode, perfeitamente, ser implementada, de fato!

Com Nobre presidente (ele administra com austeridade) e Belluzo como diretor de futebol (ele tem conhecimento, ousadia e acredita no potencial econômico do clube) creio que teríamos a dupla ideal para fazer um Palmeiras maior e muito mais poderoso!

COMENTE COMENTE COMENTE 

15 Comentários:

  • Às 1 de novembro de 2014 12:30 , Anonymous Anônimo disse...

    O Belluzo já entrou para a história, coisa que o riqunho talvez nunca consiga.

    Foi criada uma expectativa em PN que até fazia sentido. Ele não é italiano, não é velho, não precisa fazer dinheiro em cima do clube, etc.

    Infelizmente PN falhou miseravelmente na condução do clube. Os atos ou a falta deles falam muito mais do que a expectativa e esperança gerada em cima de seu nome.

    Concordo que o Belluzo, um economista keynesiano adorado pelo governo que está aí a quebrar o país, arrebentou com as contas do clube. Ele não é exclusividade. Vários times adotaram algumas gestões assim e passaram ou passam por grandes dificuldades financeiras.

    O futebol brasileiro quebrou. O governo federal, por meio da Ca-i-xa está fazendo o que sabe, mascarando os efeitos de suas ações irresponsáveis. Imaginem como estaria o campeonato brasileiro se metade dos times não tivessem o patrocínio do banco público?

     
  • Às 1 de novembro de 2014 14:01 , Anonymous Alexandre Soares disse...

    Para nossa reflexão:
    Sabemos que o presidente do Palmeiras é (era) escolhido apenas pelos votos dos conselheiros;
    Sabemos que o próximo presidente será escolhido - pela primeira vez - apenas pelos votos dos associados do clube;
    Assim sendo, pergunto:
    A quem o presidente do Palmeiras precisa prestar contas: à torcida ou aos sócios do clube?
    Quem são os verdadeiros responsáveis pela vitória de um ou outro candidato: os dezesseis milhões de torcedores espalhados pelo mundo ou exclusivamente os sócios do clube (não sei quantos são, imagino de 6 a 8 mil)?
    Como já sabemos essa resposta, pergunto novamente:
    Os sócios do clube tem o futebol do Palmeiras como principal preocupação?
    Os sócios do clube são verdadeiramente torcedores palmeirenses?
    Sei que existem (e conheço alguns) gambás e bambis que votarão e escolherão o próximo presidente do Palmeiras. Ou seja, a opinião desse pessoal é mais importante que a nossa.
    Dá pra engolir essa situação? Difícil, né? Mas é a nossa duríssima realidade.

    Como simples torcedores (ou sócios torcedores), resta-nos apenas torcer para que algum presidente se preocupe em fazer o planejamento de longo prazo para o futebol com o trabalho de qualificação das divisões de base e fortalecimento lento e gradual do futebol profissional. Trata-se de um trabalho que necessita de prazo muito superior ao mandato de dois anos do presidente portanto, se não houver continuidade na futura gestão, qualquer bom trabalho iniciado será perdido.

    Não vejo futuro para o futebol profissional do Palmeiras enquanto permanecer a estrutura administrativa de um clube de campo.
    Fico triste por minha filha sofrer tanto pelo Palmeiras mas ficarei mais triste quando tiver um neto que corre o risco de nem ter um Palmeiras para torcer...

     
  • Às 1 de novembro de 2014 14:11 , Anonymous Marco disse...

    As diretorias do Palmeiras, tanto a atual quanto as últimas, incluindo a do Sr. Belluzo são idênticas em um aspecto: a falta de competência, de conhecimento e de malícia para tratar de um assunto chamado futebol.

    Uma lição que podemos tirar tanto da gestão Belluzo, quanto desta é que gastar dinheiro não é o suficiente para montar um bom time, quando o responsável pela gestão não é do ramo.

    Belluzo/Cipullo e Nobre/Brunoro se equivalem no item incompetência técnica para a formação de um elenco e também para enfrentar imprensa e federações que há muito tempo prejudicam o Palmeiras.

    Em relação ao Belluzo, pode-se dizer que foi péssimo porque se orientou pela ala da torcida que privilegia a grife e sendo economista, atuou na contra mão da sua formação comprometendo as receitas do Palmeiras por vários anos, incluindo a cota do Paulistão 2015.
    Times que foram campeões nesses últimos anos não gastaram o que o Palmeiras gastou por ter seus elencos formados por profissionais da área.

     
  • Às 1 de novembro de 2014 16:32 , Anonymous Anônimo disse...

    Peraí... de onde vcs tiraram essa estória de que o Belluzo quebrou as finanças do clube?

    Alguém aí sabe de alguma coisa que eu não sei, ou está só repetindo o que ouviu do amigo, que ouviu do cunhado que ouviu do...

    Um presidente que trouxe os jogadores mais desejados da época (Diego Souza e Cleiton Xavier, sem gastar nada além dos salários, afinal, quem pagou o passe dos jogadores foi a Traffic, através de acordo costurado pelo presidente do Palmeiras.

    Em relação a contratações, não se esqueçam que todas elas foram indicadas e aprovadas pelos técnicos, Luxemburgo e Murici.

    No caso da contratação do Murici, quem não contrataria?

    O técnico tri-campeão nacional, de forma consecutiva, multi-campeão pelas Bibas do Morumbixa, se oferecendo pra trabalhar no alviverde porque sabia que o time era muuuuiiiito favorito pra ser campeão de 2009.

    Onde anda mesmo o Jorginho?
    Ah tá, na Chapecoense.

    Ainda sobre a questão financeira, alguém pode dizer de quanto foi o resultado financeiro do Belluzo?

    O cara que supostamente quebrou a grande instituição financeira SEPalmeiras simplesmente aumentou a receita da instituição em mais de 350%, vejam bem, 350% !!

    Hoje não temos nenhum patrocínio, na época do Belluzo tinhamos 6 patrocinadores e um exclusivo do uniforme do treinador (Unimed).

    Quando dizem que ele esvaziou o caixa, convenientemente se esquecem de dizer que pra conseguir que a Arena saísse do papel e os contratos fossem aprovados, foi necessário fazer o pagamento de muitos anos de impostos não pagos pra conseguir as CND´s, sem as quais tudo ainda seria um sonho.

    Todo mundo fala dos tombos, mas ninguém vê as pingas que se bebeu...

    Em relação aos sócios do clube Palmeiras, mais de 60% NÃO SÃO PALMEIRENSES!!!

    Belluzo foi um dos grandes presidentes que a SEP já teve.

    Quanto ao sapo-boi, se eu for falar a respeito, vai dar um post somente sobre isso, afinal até o título brasileiro de 78 que perdemos no Morumbi pro Guarani faz parte do curriculo do rei da picanha...

    Dinho Maniasi

     
  • Às 1 de novembro de 2014 16:39 , Blogger Alexandre Correia disse...

    Aquele Br-09, o Parque Antartica tinha média de 25 mil torcedores por jogo, então o investimento foi corretamente feito por Belluzo, mas esse Senhor pisou na bola ao mandar o Luxa poker embora, e teve a infelicidade de trazer o Love do Mengão, lembra o penalti que esse cidadão perdeu contra o seu time de coração, chutando lá na piscina, e o pipoqueiro do Diego Souza, tinha tudo pra ser um ano fantástico mas se tornou uma tragédia, nem a classificação pra liberta veio.

     
  • Às 1 de novembro de 2014 18:30 , Anonymous Marcelo Palestra disse...

    Então o pequenino insignificante se julga no direito de criticar seus antecessores?

    Mas é um perfeito fanfarrão!!

    Quem é ele para fazer qualquer tipo de critica a qualquer outro presidente?

    Até Tirone tinha colhões e visão de grandeza( mesmo que premida por uma incompetência crônica)!

    Falar de Beluzzo? Por mais erros que ele cometeu, nos deu UMA ARENA!!

    Esta Arena pode ser o divisor de águas do Palmeiras!!

    ESTE SUJEITO É SEM SOMBRA DE DUVIDA, O PIOR PRESIDENTE DA HISTÓRIA DO PALMEIRAS!!

    Nem mesmo seu "papai" e mentor, o grande capo, foi tão letal ao clube!

    As besteiras e insanidades que este sujeito cometeu( não pronuncio mais seu nome) são inomináveis!!

    Vou citar apenas 05, porque pela minha contagem, passam de 30;

    Barcos - Kardec - GIlson Kleina, Gareca - Dorival Junior.

    E o pior; ELE SERÁ REELEITO, salvo se, como o Alcides brilhantemente frisou, o PALMEIRAS seja rebaixado( Deus nos livre e guarde. Aceito até um Demônio como presidente do que enfrentar novo rebaixamento).

    Prefiro que ele seja reeleito do que um novo rebaixamento. A esperança de um novo ano na 1º DIVISÃO vai direcionar nossas atitudes,e caso ocorra uma inédita união dos carcamanos ignorantes( coisa que duvido) ele pode ser impugnado e afastado do cargo. VERDE É A COR DA ESPERANÇA!

    Porém,com este sujeito reeleito por mais 02 anos junto com sua crônica incapacidade gerencial, mantendo sua absurda política de contenção, seguindo fielmente as imposições nefastas de seu "papai" mentor,vocês acham mesmo que teremos algum motivo para comemorar? Será só sofrimento, humilhação, desprezo, apequenamento pela mídia e luta para fugir de novos rebaixamentos.

    ESTA SERÁ NOSSA REALIDADE, MESMO COM A ARENA!

    Este Dorival Junior é uma piada!!

    Um Gilson Kleina com um pouco mais de grife( Prefiro Jair Picerni que é um Luxemburgo sem grife)

    Com 04 pontos que perdemos sofrendo gols no ultimo minuto de jogo, estaríamos tranquilos!

    Culpa de sua teimosia e falta de visão tática.

    VÁ PARA O INFERNO, "PRESIDENTE"!

     
  • Às 2 de novembro de 2014 11:32 , Anonymous Marco disse...

    Belluzo, ao lado de Tirone, o maior ignorante em futebol que passou pela presidência do Palmeiras.
    Um cara que adianta s cotas de TV, incluindo até o campeonato paulista de 2015 quebrou ou não as finanças do clube?
    Na parte esportiva mostrou total falta de sensibilidade e de competência ao trazer um treinador de nome (atendendo a parte da torcida que só gosta de grife) quando tinha á frente time um treinador que havia passado por grande problema pessoal e tinha o elenco nas mãos, jogando por ele. Naquele momento e só naquele momento, jamais poderia ter tirado o Jorginho. Hoje, em outra situação, a análise deste treinador é outra.
    Belluzo também foi um presidente sem a menor malícia e sem a menor noção sobre o mundo do futebol, sem controle emocional e sem malícia para conhecer os inimigos do Palmeiras.
    Transformou Carlos Simon de vilão em vítima, quando tinha tudo para mostrar a realidade do tratamento dado ao Palmeiras. Considerava pessoas como Juvenal Juvêncio e Juka Kfouri amigas e dizia que o SP era clube co irmão.
    Até o Marcos deixou escapar uma declaração um tempo depois que se o dinheiro gasto com a contratação do Muricy fosse dado ao elenco como prêmio para a conquista, o campeonato seria título certo.
    Em termos de FUTEBOL esse é um pequeno resumo da passagem do Belluzo pela presidência do Palmeiras.
    Aspectos de planejamento, de estádio, de Parmalat são outros quinhentos. Nada disso confere a ele conhecimento técnico sobre FUTEBOL.

    Mais uma coisa, não repito o que ouço de amigos, tenho base no que cito aqui.
    Será que notaram na mesma mensagem que critica Belluzo/Cipullo no futebol, também foi feita critica ao Nobre/Brunoro.
    Provavelmente não, porque os comentários seguintes tentam induzir que a critica ao Belluzo é uma defesa ao Nobre. Foi falta de atenção?
    Tenho essa avaliação sobre o Belluzo desde sua passagem pela presidência, quando não se imaginava que o presidente no ano do centenário seria Paulo Nobre.
    Em relação ao Vagner Love, foi a cereja no bolo para perder o elenco. O jogador que faltava era a opção para Diego Souza e Cleiton Xavier, cujas ausências do time faziam com que o treinador retranqueiro enchesse o time de volantes ou zagueiros.
    Não se esqueçam de que o Palmeiras, naquele segundo turno disputou 21 pontos contra os sete piores times do campeonato e só ganhou um, no empate em casa com o Sport, com um gol do Danilo no final do jogo.
    No jogo contra o rebaixado Santo André, o treinador de grife colocou o time na defesa, jogando como medo e conseguiu perder de 2x0.
    Nem para a Libertadores o time se classificou pela total falta de conhecimento, competência e malícia de que comandava o futebol no clube.

    Quem julga que o Presidente Belluzo foi bom presidente para o FUTEBOL ou não tem memória ou tem o mesmo nível de conhecimento de FUTEBOL que ele.
    Para concluir, como a construção de uma Arena pode justificar a avaliação do FUTEBOL de um time?
    Argumentação absurda, pois a discussão não é, não foi e não será sobre planejamento, patrimônio e sim sobre desempenho do FUTEBOL.

    E se ainda assim está difícil para entender, a opinião foi sobre F U T E B O L !!!

     
  • Às 2 de novembro de 2014 12:07 , Anonymous Marco disse...

    No início do segundo turno de 2009, o Palmeiras venceu o Internacional por 2x1, no Palestra Itália.
    Logo aos dez minutos de jogo, o Palmeiras perdeu por contusão o meia Cleiton Xavier.
    Muricy fez a substituição óbvia. Entrou Devid Sacconi, jogador mediano, mas que era da função.
    Naquele momento, Sacconi era o único jogador do elenco que podia entrar no lugar de Diego Souza ou de Cleiton Xavier e não alterar o restante da equipe.
    Essa substituição não alterava a estrutura tática que proporcionava ao time bom desempenho e resultados.
    Podem argumentar que esse jogador depois que saiu do Palmeiras não acertou em lugar algum e que era limitado, mas é inegável que sua presença mantinha o time equilibrado nas DEZ posições restantes, naquele momento e futebol sempre foi momento.
    Entretanto, este não foi o único jogo que o Palmeiras perdeu Diego Souza ou Cleiton Xavier, incluindo o dois jogos que os meias palmeirenses foram convocados por Dunga para a seleção brasileira, quando o Palmeiras disputava a ponta da tabela com o Inter. Nessa ocasiões, nosso treinador de grife, retrancava a equipe enchendo de volantes e/ou zagueiros, incluindo o carque Marcão.
    O time do Palmeiras passou a entrar em campo, quando não tinha Xavier ou Diego Souza, mostrando ao adversário que estava com medo. Times medíocres passaram a jogar contra o Palmeiras com a confiança em alta. Foi quando não conseguimos ganhar de nenhum dos sete piores time do campeonato, no segundo turno. Com um terço dos pontos conquistados nesse jogos, o Palmeiras seria o campeão.
    Chegamos a passar pela situação ridícula do “famoso quem” Carlinhos Bala dar entrevistas ridicularizando nosso time.
    Esse foi mais um caso da grande contribuição do retranqueiro treinador que tivemos, que sem “marketing” e bastidores por trás mostrou que é comum como tantos outros.

     
  • Às 2 de novembro de 2014 15:47 , Anonymous Anônimo disse...

    Desculpa aí profº Doutor em Futebol, catedrático na arte de jogar bola, que sabe tudo sobre como dirigir, acertar e atingir metas.

    Com certeza vc deve ser docente no Curso de Técnicos CBF.

    Você já jogou buraco, poker ou aplicou na bolsa?

    Se fez isso, com certeza já ouviu aqueles caras dizendo em tom abafado:

    Ah se ele tivesse feito isso...

    Ah, tenho certeza que a outra opção seria melhor.

    Grandes analistas de obra pronta!

    Belluzo demitiu VL porque o profexô não saia da mesa de carteado, perdeu a linha ao falar demais na tv, já não conseguia manter a disciplina dentro do elenco que não o respeitava pelas suas noitadas.

    Quem montou o elenco sem peças suficientes foi o profexô.

    Aposto que vc com suas qualificações de parnormalidade já sabia que a contratação do Vagner Love não daria certo, não é mesmo?

    Ah! Como ele pode ter adiantado as cotas até 2015, se houve outro presidente após sua saída que adiantou cotas da grobo até 2015?

    Mistério né profº doutor?

    Belluzo pecou por ação e não por omissão. Fez o que achava melhor no momento pra ser campeão, como todo presidente deveria fazer.

    Deixou tudo pronto pra que tivessemos o centro de treinamento de base mais avançado de SP em S.Roque, e o B1 o que fez?

    Nada.

    Tinhamos time, patrocinio, respeito, planejamento, as dividas pagas, não deviamos salários.

    Dinho Maniasi



     
  • Às 2 de novembro de 2014 19:26 , Anonymous Marco disse...

    Então, desculpe grande informado sobre futebol que não tem a menor capacidade para entender o que foi escrito e que muda o foco com a conveniência para criar um falso debate.
    Não tinha citado o Luxemburgo, por que o nome dele veio em sua resposta? Você não tem capacidade de argumentação e precisa colocar palavras em meu teclado?
    Não tenho nada contra o Belluzo fazer parte da nova direção do Palmeiras, desde que ele não se meta onda não sabe nada. Que ele fique apenas na praia dele!
    Interessante é que na resposta emocional e levada para o lado pessoal, ignoram-se os fatos. Não é falar sobre o fato consumado, mas manter um posicionamento desde 2009, quando a atual direção nem pensava estar no cargo.
    Sua resposta, ao invés de citar fatos, colocar argumentos, faz suposições e tentar colocar em suas suposições a base das argumentação.
    Tínhamos respeito e dívidas pagas?
    Parece que não é isso que a eficiente gestão Belluzo deixou como legado, basta verificar tudo o que aconteceu depois dele.
    O fato das gestão posteriores terem sido incompetentes não serve de defesa para a gestão dele.
    Tanto a gestão dele quanto as que a sucederam foram péssimas para o Palmeiras.
    Entretanto, quem não tem capacidade para analisar o que se passou com o Palmeiras nesses últimos anos, argumenta apenas como torcedor dessa eleição.
    Não concordar com a argumentação contra seu ídolo é um direito seu, mas tenha a capacidade e a competência para responder em cima do que foi escrito e não do que você imagina que outros pensam.
    Será que não conseguiu entender que as criticas a gestão Belluzo não são uma defesa da atual gestão? Foi tão difícil assim?
    Todas as vezes que escrevi sobre o Belluzo à frente da direção do Palmeiras fiz questão de evitar qualquer tipo de relação com a condição pessoal dele, com sua carreira profissional e política e deixei muito claro que as criticas seriam única e exclusivamente em relação ao FUTEBOL, mas como há argumentos em relação ao FUTEBOL, por má fé ou por ignorância, as respostas acabam trazendo argumentos favoráveis de outras áreas, como se as realizações em outras áreas servissem para justificar a incompetência em um assunto que não é e nunca será a praia dele.

     
  • Às 2 de novembro de 2014 20:00 , Anonymous Marco disse...

    Escrevendo antes, para não ser acusado de opinar sobre fato consumado

    Caso Pescarmona seja eleito presidente do Palmeiras e Belluzo um dos vices presidente:

    1 – A manifestação da urnas deve ser respeitada e o mandato adquirido não poderá ser sabotado, como infelizmente vem acontecendo em todas as gestões no Palmeiras;
    2 – O Sr. Belluzo deve atuar na sua área de conhecimento e relacionamento, onde pode ser muito útil ao clube;
    3 – Pelo bem da instituição, deve reconhecer que não pode interferir no futebol, colocando nessa área pessoas do ramo;
    4 – Deve colocar em prática o discurso da sua chapa que prega a união em torno do clube.

     
  • Às 2 de novembro de 2014 21:08 , Anonymous Marco disse...

    Outra consequência da gestão Belluzo no FUTEBOL é que ele não quis se candidatar para outro mandato e não fez seu sucessor.
    Com essa condição o Palmeiras passou por um dos maiores vexames da sua história tendo como presidente uma pessoa sem a menor formação técnica e pessoal.
    Um verdadeiro palhaço, Arnaldo Tirone Jr, ocupou o cargo mais importante do clube. Assim como Belluzo, também não teve condições de concorrer a um novo mandato.
    Outro constatação de que é preciso cada um na sua praia!


    E para que ninguém se faça de mal entendido.
    Nada do que se analisa sobre a gestão Belluzo inocenta ou critica a atual gestão do Palmeiras.
    Cada coisa no seu lugar e na sua hora.

     
  • Às 3 de novembro de 2014 11:41 , Anonymous Anônimo disse...

    Marco

    Vc lembra que ele não se candidatou porque se afastou por problemas de saúde?

    Entendeu o que foi escrito ou ficou magoadinho?

    Chegou a analisar os balanços de 2010, 2011, 2012 e 2013?

    Concorda como são declarados os valores que compõem o Ativo e o Passivo da SEP?

    O que quero dizer é o seguinte:

    Belluzo fez o que foi necessário pra resolver questões necessárias à época.

    Em relação ao futebol, na minha modesta opinião, seu único erro foi ter confiado o cargo mais importante do futebol e dado carta branca ao Cipullo.

    De resto - volto a frisar, na minha opinião - não existe nada que jogue sobre seus ombros o peso da situação atual da SEP, a não ser as acusações do Sapo-Boi, do B1, do Frizzo, do Avalone, etc e etc.

    Pela minha formação acadêmica e experiência profissional, não posso concordar qdo se diz que ele "empenhou" todas as receitas dos exercícios futuros e não se enxerga que ele na verdade, alavancou as receitas da SEP.

    Essa fórmula de alavancagem financeira se tivesse sido conti nuada pela direção seguinte, não provocaria a chamada "situação atual", que na verdade não era tão ruim assim como o atual presidente faz questão de alardear.

    Ah, não sou fã do Belluzo nem gosto de polêmicas, apenas analiso o que vejo e o que ouço, só isso.

    Belluzo errou como todos erram, mas não se pode crucifica-lo por tudo.

    Dinho Maniasi

     
  • Às 3 de novembro de 2014 14:24 , Anonymous Marco disse...

    Dinho, não venha com ironias, apenas argumente.

    Parece que quem demonstra não entender o que foi escrito, não sou eu.
    Não sei se faz isso por não conseguir entender mesmo, ou para ter o que argumentar.
    Você tentou induzir nas suas respostas que eu fazia defesa da atual direção. Deixei muito claro que as criticas eram para as duas gestões.
    Não entro e nunca fiz avaliação do Sr. Belluzo fora do futebol, porque teria que tratar de aspectos políticos e econômicos e ai a discussão seria mais ampla. Preferi sempre me referir a ele como pessoa respeitável na sua área e continuarei assim. Como sempre tratei sobre futebol, continuarei falando sobre isso.

    Analisar a gestão Belluzo não significa fazer qualquer avaliação da atual gestão, mas como muita gente prefere levar sempre para o lado pessoal, para o das disputas, tenta colocar que critica a uma gestão é a defesa da outra. Isso é má vontade ou ignorância e em vários casos pode ser os dois.
    Os erros da gestão Paulo Nobre também podem ser listados e dariam muita conversa, especialmente por serem atuais. Só que desta vez a discussão é sobre a gestão Belluzo.

    Então vamos a ela, relacionando algumas coisas da gestão dele que mostraram o amadorismo na condução do Futebol

    1 – Ele elevou as receitas (papel da sua área de formação), mas comprometeu receitas futuras por não saber gastar em FUTEBOL. Isso é um contrassenso. Agiu por emoção e se orientou por corneteiros na hora de tomar decisões técnicas, ou seja, foi na contra mão da sua formação técnica.
    2 – Considerava (e deve considerar ainda) indivíduos como Juka Kfouri e Juvenal Juvêncio como amigos e o SP como coirmão. Por esse ponto qualquer avaliação sobre ele em relação futebol poderia ser interrompida em se tratando de Palmeiras
    3 – Optou pela contratação do treinador de grife no lugar de alguém que estava no cargo e por circunstância daquela época teria todo o elenco na mão, jogando por ele, como aconteceu com o Flamengo, campeão daquele ano. Esse argumento não foi utilizado por mim em nenhum blog, naquele período, por respeito ao que tinha passado o então treinador Jorginho. Porém, dentro do Palmeiras todos sabiam disso e se solidarizavam com o treinador.
    4 – A avaliação de que o gasto com a contratação do Muricy seria muito melhor empregado com premiação ao elenco para ganhar o campeonato não é minha, foi do Marcos.
    5 – A contratação do Wagner Love foi polêmica. Teve gente a favor e gente contra, mas quem estava no Departamento deveria ter melhor diagnóstico da situação, mas na época o dirigente era o fraquíssimo Cipullo.
    6 – A manutenção desse diretor de futebol foi outro grave erro daquela gestão, que mesmo constatando a incompetência, fez um acordo pessoal prevalecer sobre os interesses do clube.

     
  • Às 3 de novembro de 2014 14:25 , Anonymous Marco disse...

    7 – Belluzo sempre reagia aos pedidos de lutar nos bastidores para defender os interesses do Palmeiras. Dizia que não faria nada ilegal ou imoral, mostrando sua alienação do mundo do futebol. A luta pedida nos bastidores sempre foi em termos legais e éticos, mas sua visão limitada e a sua prepotência para se mostrar superior não permitiam que ele percebesse a necessidade de defender o clube que presidia.
    8 – Nessa parte de bastidores, ele fechou com chave de ouro ao ameaçar publicamente o árbitro Carlos Simon, transformando um vilão em vítima, outra prova do seu amadorismo para o futebol. Depois do que foi feito contra o Palmeiras a favor do Fluminense, tivemos uma enorme chance de levantar a questão dos prejuízos históricos ao clube, mas o Sr. Belluzo, agindo mais uma vez como torcedor e não como dirigente, chutou o balde.
    9 – Outra chave de ouro de sua gestão foi ficar ao lado de Andrés Sanches no processo que terminou com a implosão do clube dos treze. Sei que ele foi alertado pessoalmente sobre o perigo que representava apoiar o citado elemento e muito tempo depois ele admitiu que errou, confessando isso a mesma pessoa que o alertou.
    10 – A gestão Belluzo foi “tão boa” para o Palmeiras que ele não fez seu sucessor, não apoiou ninguém. Não podia se candidatar por problemas de saúde, mas poderia apoiar. Graças a ele, o Palmeiras teve um dos presidentes mais caricatos da sua história, que também não se candidatou a reeleição e não apoiou ninguém, pois seu apoio seria negativo. Veio então Nobre, com uma filosofia de gestão que só foi possível devido à era Belluzo. Quem fez o Tirone e o Nobre, foi o Belluzzo, essa é a realidade.


    O fato concreto é que teremos eleições no final de novembro, quando os grupos que disputam o poder passam a impressão de que não aprenderam com os erros e a disputa por esse poder parece ser mais forte do o próprio Palmeiras.
    Caso ganhe o Nobre, que ele realmente coloque em prática o discurso de aprender com os erros, o que acho difícil pela centralização de poder que é característica dele.
    Caso vença o Pescarmona, que o Belluzo fique o mais longe possível do futebol, que tome conta do planejamento, do “marketing”, dos contratos, das relações comerciais etc., mas não dê um palpite na formação do time ou na escolha de quem possa comandar o futebol. Fique em uma área onde possa ser útil de verdade ao Palmeiras e não atrapalhe. Essa preocupação é pelo fato de que tanto ele quanto seus seguidores julgam que fizeram tudo certo quando estiveram à frente do futebol, isto é, não aprenderam nada.
    Na atual gestão, a Assessoria de Imprensa foi comandada por um gambá. Quem sabe na gestão que o Belluzo faça parte não tenhamos Juka Kfouri como chefe da Assessoria!


    Duas observações:
    1 - Seja qual chapa vencer as eleições, não farei campanha contra quem estiver no legítimo direito do seu mandato. Disputa entre chapas é para eleição. Quem vencer a eleição, para o bem do Palmeiras, precisará da união geral. Nunca se pode confundir opinião, avaliação como perseguição, fato que tem se tornado comum no Palmeiras a cada mandato. Espero que o vencedor tenha a capacidade de assimilar as criticas e ter a competência para promover essa união.
    2 – Tudo que escrevi sobre o Muricy, sobre o time de 2009, escalações, sistemas táticos não é recente. Escrevia a mesma coisa durante aquele campeonato, especialmente no segundo turno, quando o Palmeiras conseguir perder 20 pontos em 21 disputados contra os sete piores times do campeonato.

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial