Observatório Alviverde

25/01/2013

NEM BELLUZZO NEM MUSTAFÁ! ESPERAMOS UM NOVO PRESIDENTE!


   












Democraticamente, respeito todas as opiniões, embora me conceda o direito de divergir de todas elas.

Exatamente, assim:
"questiono as opiniões alheias, mas não me ofendo e nem sou infenso a que questionem as minhas".

O nariz-de-cera é proposital pois vou emitir conceitos que colidem, frontalmente, com o pensamento de parte ponderável de nossa torcida, mesmo a parte esclarecida, favorável à contratação de Riquelme.

Com a desistência de trazer o vetusto craque argentino, Paulo Nobre antecipa uma faceta importante de sua admnistração, a responsabilidade.

Não, não me chamem de incoerente pelo comentário que fiz há tempos, dizendo, entre outras coisas, que a matéria-prima do futebol é a emoção, que os clubes, estatutariamente, não possuem finalidades lucrativas e, por isso deveriam investir.

Fui mais além ao afirmar que, em razão disso, o Palmeiras poderia e deveria investir no futebol ou ficaria relegado a uma situação de inferioridade em relação aos concorrentes, fenômeno que vem se intensificando e corporificando, ano a ano, temporada a temporada.

Ao dizer que o Palmeiras tem de investir, não significa, necessariamente, que o clube tenha de sair por aí atirando para todos os lados, apostando em nomes que, não se tem certeza, de que serão viáveis ou frutificarão, sobretudo em contratações vultosas, ao preço "top" do mercado.

Antes de qualquer coisa, entendo que o Palmeiras precisa estabelecer as metas que deseja atingir e de que forma  alcançá-las ao menor  custo possível.

Pensem todos na imperiosa necessidade de manter a saúde e a estabilidade financeira da agremiação e garantir o fluxo de caixa. A isto se chama planejamento!

Quando Paulo Nobre, em início de mandato, prioriza o futebol sobre uma contratação "espetaculosa", e contraria a torcida contratando Brunoro em vez de Riquelme, apresenta as suas credenciais de responsabilidade, madureza e conhecimento administrativo.

Como se pode deduzir, ele, do ponto de vista administrativo, não inverte prioridades e nem queima etapas.

Nobre começa, como exigem a lógica e a razão, a reconstrução do clube a partir de uma reforma completa nos alicerces.

Pensem nisto: de que adianta ter um elenco repleto de estrelas se o clube não tem equilíbrio financeiro e nem consegue manter os salários e direitos de imagem em dia? 

Agora muitos vão ficar ainda mais aborrecidos comigo e nem irão acreditar no que vou dizer, mas o sistema administrativo de Mustafá, em termos de clube, em termos de clube, é perfeito.

O clube não vai para o vermelho, não fica sem fluxo de caixa e nem contrai dívidas e obrigações difíceis de ser quitadas, levando uma vida comercial-empresarial absolutamente regular e legal. 

O grande mal do "modo mustafá de governar" sempre foi o seu desprezo ou, vá lá, a sua indiferença pelo futebol profissional.

Sem a menor noção da grandeza de nossas tradições e de nossa torcida, Contoursi insistia em tratar o futebol de forma amadora, como se o grande clube que é o Palmeiras fosse o departamento de bocha, de natação ou de patinação artística.

O ideário de Mustafá deve ter sido copiado do C.A. Juventus, o maior clube social do país por muitos anos, que mantinha um time de futebol de salário mínimo.

O CAJ teve representatividade até meados da década de 90, quando faleceu o seu mantenedor José Ferreira Pinto, o conhecido Zé da Farmácia, dirigente sagáz e líder da comunidade dos pequenos clubes da primeira divisão paulista.

Como se percebe, Mustafá se daria bem como presidente do Juventus que prioriza lucros e a parte social. 

Sugestão: por que ele não se transfere para lá e tenta a presidência do CAJ

Ninguém espera ou deseja, também, que o clube invista tanto e tão desordenamente quanto ocorreu no tempo de Beluzzo-Cipullo.

Não pelos investimentos em sí, mas pela falta de qualidade dos produtos adquiridos e pela contratatação e valorização de jogadores medíocres e ultrapassados, que jamais deveriam ter vestido a nossa camisa.

O dinheiro rolou solto concentrado em jogadores caros, alguns superados, a maioria balzaquianos, na idade atual de Riquelme.

Porém, como se viu, veteranos acima da média, muitos deles ex-craques, não conseguiram resolver o nosso problema. Esse tipo de contratação, em meu ponto de vista, é lotérico.

Os outros contratados de Belluzzo-Cipullo foram jogadores levemente acima da linha mediana como Kléber Judas e Wagner Love, em política ruim em razão dos preços pagos, porém menos mal do que arriscar em veteranos. 

Meus amigos, investir não é isso. Tem de existir por trás dos investimentos muito planejamento, com metas a ser atingidas para que não se desperdice tanta grana.

Nem Mustafá, nem Belluzzo, o Palmeiras está carente de um presidente híbrido que seja prudente e econômico como Mustafá, mas ousado e intimorato como Belluzzo.

Espero que Paulo Nobre aproveite somente as experiências positivas de seus dois antecessores mais antigos e saiba, como diz meu velho Tio Valdomiro lá em Pederneiras que "no meio é que está a virtude".

Que Paulo Nobre, no trato com o futebol não seja, repito,  tão econômico, tão mão-de-vaca, tão avarento e tão omisso como Mustafá e, ao mesmo tempo, nem tão visionário e perdulário como Belluzzo, cujo mal foi o de ouvir e prestigiar um diretor de futebol que não sabe nada da matéria e que, com certeza, não é do ramo!

Conheço pessoalmente Brunoro, um dos líderes da geração prata do volei brasileiro, cuja carreira como técnico de volei pode ser resumida assim:

(SIC)

O time da Pirelli foi oito vezes campeão paulista (de 1981 a 1988 ganhou todos os campeonatos), quatro vezes campeão brasileiro (1981, 1982, 1983 e 1988), duas vezes campeão sul-americano (1981 e 1983), duas vezes vencedor na Copa do Brasil (1985 e 1987) e nos 13 anos à frente da equipe, Brunoro ganhou quase todos os jogos regionais de 78 a 91, perdendo apenas o torneio de 82.





Com a Seleção Feminina Juvenil, foi campeão Intercontinental na Itália, campeão Mundial de Clubes no Brasil e campeão Sul-Americano no Rio de Janeiro. 



Já com a Seleção Brasileira Masculina, atuando na função de auxiliar técnico, Brunoro ganhou a Copa do Mundo no Japão, em 1981, foi vice-campeão no Mundial de 82, na Argentina, medalha de prata olímpica em 84, em Los Angeles (EUA) e campeão do Pan-Americano de 83, na Venezuela. 



Como técnico principal, foi quarto lugar na Copa do Mundo do Japão, campeão Sul-Americano de 1985, na Venezuela e quarto lugar no Mundial da França em 1987. 



1978-1979: Seleção Juvenil Feminina

1978-1991: Pirelli (Masculino)

1980-1984: Seleção Brasileira Masculina de Voleibol (Assistente Técnico)

1985-1987: Seleção Brasileira Masculina de Voleibol

1989: Pirelli (Masculino)
No futebol 



Em 1992, foi convidado pela Parmalat para ser diretor de esportes da América Latina. No mesmo ano, a multinacional iniciou seu trabalho junto ao Palmeiras. Brunoro participou ativamente da implementação e consolidação do novo conceito esportivo no clube, implantando o sistema de co-gestão no patrocínio esportivo (consórcio Palmeiras-Parmalat). 



No ano seguinte, os resultados do trabalho começaram a render frutos. O Palmeiras vence o Campeonato Paulista e o Brasileiro, torneios estes, que a equipe não era campeã desde 1976 e 1973, respectivamente. O Palmeiras ainda iria sagrar-se vencedor do campeonato paulista de 1994 e 1996, do Brasileirão de 1994, da Copa do Brasil de 1996 e da Taça Rio-São Paulo de 1993. 



Com essa proposta, alem do clube da capital paulista, tornou clubes como Boca Juniors, Peñarol, Juventude, entre outros, como referências vencedoras nos anos 90. 



No ano de 2003, tornou-se Diretor Executivo do Audax SP e RJ (times de futebol do Grupo Pão de Açúcar). Um projeto Social-Esportivo, idealizado com Abilio Diniz e Fernando Solleiro. 



FONTE WWW.BRUNORO,COM.BR

Entrevistei Brunoro três ou quatro vezes, mas uma, apenas, a partir de quando ele trocou o esporte da rede e das quadras pelo futebol.

Trata-se de pessoa correta, íntegra, retilínea, inteligente, hábil, excelente nível cultural, de total confiança de Paulo Nobre, com quem trabalhará diretamente, sendo o presidente o único dirigente a quem se deve reportar em termos de futebol do Palmeiras.

Por ter um plano adredemente preparado, e por simples questão de coerência, Brunoro não quer Riquelme como Kleina, também, não quer. Seus planos, certamente, envolvem praticidade e renovação com investimento mínimo.

Pensem nisto!

Já imaginaram o descontentanmento que causaria ao elenco um jogador que, além de ganhar mais do que todos, iria atuar quando quisesse?

Por muito menos do que isso, a contratação de Vagner Love implodiu o Palmeiras no tempo de Belluzo.

Sei que muitos esperavam que Riquelme chegasse e detonasse. A esses eu aconselho ler alguns blogs argentinos a partir do momento em que ele deixou o Boca.

Leiam, principalmente, o que dizem os bloguistas-comentaristas e façam uma média das opiniões.

A mais engraçada delas, que retrata jocosamente a verdade acerca da atual da carreira de Riquelme dizia que "Riquelmente, hoje em dia, não consegue correr nem para ir ao banheiro."

Riquelme não seria o salvador da pátria, Brunoro não é o salvador da pátria, mas apesar de dizer o contrário, Paulo Nobre sabe que hoje, mais do que nunca, ele tem de salvar a pátria palmeirense.

COMENTE COMENTE COMENTE





HOJE, POR FALTA DE TEMPO, NÃO VOU FALAR NADA DA GLOBO, MAS UMA IMAGEM PERFEITA VALE MAIS DO QUE MIL PALAVRAS!

PALMEIRENSE, NÃO COMPRE O PACOTE SÉRIE B 2013 DO PAY-PER-VIEW!

13 Comentários:

  • Às 25 de janeiro de 2013 10:25 , Anonymous VICTOR TREDENSKI disse...

    ALCIDES, SUGIRO QUE VOCE SEJA UM POUCO MASOQUISTA E ENTRE NO BLOG DO COME RISOLÍS.....DIGO COSME RIMOLI E VEJA O QUE O CARA ESCREVEU EM RELACAO AO ANIVERSARIO DA CIDADE DE SP, ENALTECENDO GAMBAS E BAMBIS E PRA VARIAR....DEIXANDO DE LADO O PALMEIRAS....

    BOM, ENTRE LA E VEJA COM OS SEUS PROPRIOS OLHOS.....SE VOCE TIVER ESTOMAGO É CLARO

     
  • Às 25 de janeiro de 2013 11:37 , Anonymous NEI VERDE disse...

    Grande Alcides!!!! estou cá de volta após ferias merecidas, e volto num momento, que acho ser a virada da nossa Sociedade Esportiva Palmeiras, Paulo Nobre, não é o salvador, mas já se mostra que tem amor ao clube, e quer profissionalismo, Trazendo Brunoro (aleluias), e barrando Riquelme, nos precisamos muito mais no momento, precisamos de organização, estou feliz com os acontecimentos, agora vejo luz no fim do tunel, podem ter certeza, que doravante passaremos a ser melhor tratado por todos, pois agora temos homens profissionais no comando, e não picaretas.
    Tenham paciencia, a principio vamso se organizar, parar de dar vexames, e depois ser o grande campeão. felicidades Paulo Nobre, felicidades Brunoro, acredito e torço por vocês....,
    Abraços a todos um feliz 2013, em especial a você Alcides, Mestre e Serverde......

     
  • Às 25 de janeiro de 2013 13:22 , Blogger Samir disse...

    Olá Alcides, mais uma vez venho elogiar este blog que é um privilégio para todo palmeirense. Nada mais justo, já que a imprensa esportiva brasileira notoriamente nos quer ver pelas costas.

    Concordo e gostei muito da decisão de Paulo Nobre em contratar o Brunoro e de descartar a contratação de Riquelme. Ótima análise do caso neste post.

    Quero destacar a questão do equilíbrio. Eu também penso da mesma forma, foi uma das coisas que aprendi recentemente na vida. Procurar conciliar dois lados antagônicos numa mesma moeda. É como mirar uma arma para cada lado e atacar os problemas que vêem dos dois lados. Ser muito conservador ou muito agressivo é como apontar as duas armas para um só lado, combater com mais ímpeto os problemas de um dos lados e ser atacado pelas costas. Logo pelo lado mais frágil! É questão de tempo para a queda, ainda que as coisas comecem bem!

    Um abraço!
    Samir!

     
  • Às 25 de janeiro de 2013 13:25 , Blogger Samir disse...

    Ah, esqueci de falar!
    Apesar de elogiar a postura do Paulo Nobre, no fundo, eu bem que queria ter este grande craque chamado Riquelme no Palmeiras. Mas o momento não nos permite ter o maestro argentino.

    sem mais....

     
  • Às 25 de janeiro de 2013 13:34 , Anonymous Anônimo disse...

    Grande Alcides!!

    Seu comentário é irretocável!!Foi o que eu sempre pensei!! Belluzzo ao seu jeito, foi tão danoso ao PALMEIRAS, quanto a "admiministração" do inominável "M", câncer que está nos destruindo desde 1977.Talvez, Nobre possa encontrar um meio termo( o problema maior será domar o inominável)e conseguir finalmente efetuar as mudanças do estatuto(a principal realização que deveria ser feita pelo Belluzo), dedetizar as ratazanas, e profissionalizar de vez o futebol palmeirense.Me parece que ele está buscando este caminho! Porém,será que irá conseguir? Sem o apoio de uma multinacional como a Parmalat? Será que, até a limpeza e exterminação das ratazanas e do lider nefasto, o clube irá conseguir manter-se em pé? Nosso maior inimigo está lá dentro, e hoje posso afirmar que,o maior inimigo externo não é a maldita imprensinha, e sim as nossas organizadas.Conseguirá ele domar estes dois temíveis adversários? Um, o inominável,tem suas táticas letais, o outro, desvaloriza e arrebenta com nossos melhores jogadores( Valdívia, por exemplo, entre outros) e dá munição farta a imprensinha!Uma árdua tarefa!! Porém, concordando com o comentário do Victor, a nova administração precisa com urgência controlar a imprensa! Seja "comprando" seus "anti-profissionais" ou fazendo $$$acordos$$$ com os veículos de comunicação( principalmente, infelizmente, com a nefasta, podre e fascista Rede Globo, nossa maior inimiga). Se não fizermos isso, o plano sórdio de nos arrebentar proporcionados pelos jucas, netos,langs, leiferts,galvões,uols,lances,globos, e tantos outros, será realizado a contento. Por isso, acredito, que, como fez a parmalat na época, fazer $$$acordos$$$ com os poderosos, donos das redes de comunicação,fará com os falsos profissionais da imprensa tenham obrigatoriamente que nos elogiar e enaltecer em seus veiculos de comunicação, sob pena de demissão( como faz os bambis e os gambás a tantos anos)! Seria divertido ver estes patifes tendo que engolir seu ódio e rancor contra o PALMEIRAS, e elogiar até o (desculpe a expressão)um peido do Valdívia, ou do Barcos( o danadinho), como diria aquela coisa,gambá fedorento, que se acha comentarista, da BANDida! Se o Valdívia ou o Barcos jogassem nos imundos ou na bicharada, seriam a oitava maravilha do mundo, craques maravilhosos! Como jogam no PALMEIRAS, não valem nada!!

     
  • Às 25 de janeiro de 2013 14:10 , Anonymous Mestre dos Magos disse...

    SOBRE RIQUELME

    Vou falar pela última vez, garanto.

    Riquelme não veio por política, só isso.

    É igual política de cidade pequena, em que um prefeito faz uma rotatória e o outro vem e a primeira coisa que faz é tirá-la alegando que atrapalhava.

    Particularmente, se for do jeito que disse o repórter PVC da Espn, teria que vir.

    Se não veio, pra mim tanto faz.

    Não é o fim do mundo.

    Mas cada governo tem sua estratégia e nesse governo do Nobre, me parece que fechar o grupo, pagando os atrasados em dia é o objetivo.

    Acho que as duas coisas eram possíveis de ser feitas.

    Quem sabe depois de acertar os atrasados, fechar o grupo, daí sim possam rever o caso ou até contratar as 3 bombas que disseram ter.

    Saudações.

     
  • Às 25 de janeiro de 2013 18:03 , Anonymous Marco disse...

    Alcides,

    Além dos aspectos que você aborda no seu texto faço a observação sobre a valorização do nosso elenco.
    O Palmeiras não pode permitir que seus ativos sejam desvalorizados pela imprensa, com auxílio de parte da torcida, sob a inércia do clube.
    A chamada baixa estima citada pelo Brunoro afeta o desempenho em campo, sendo consequência de tudo de ruim que aconteceu com o Palmeiras.
    Mesmo quando um jogador não tenha mais espaço no time, não pode ser desvalorizado. Trata-se de um ativo do clube que poderá trazer benefício financeiros em uma negociação ou ser utilizado em troca com outro clube.
    Cito o caso do Luan, jogador já condenado pela torcida e que já despertou interesse de outros times. Luan é hoje um jogador que pode ser muito útil para o Palmeiras conseguir um bom reforço e não ser queimado em uma troca com qualquer um apenas para satisfazer os caprichos de meia dúzia. Atlético MG e Vasco já demostraram interesse no jogador e o Palmeiras deve saber como usá-lo em alguma negociação e não pegando o primeiro jogador que tentarão nos empurrar.

    Quanto ao Riquelme, seria o grande trunfo para a Libertadores. Entretanto, além da questão de alto custo, ele não joga há oito meses e até ficar em forma e pegar ritmo e entrosamento a Liberadores já acabou.

     
  • Às 25 de janeiro de 2013 19:47 , Anonymous Torcedor Realista disse...

    Sinceramente está um saco ficar acompanhando o palmeiras, parece mais aula de economia e contabilidade do que um time de futebol.

    vejam só as expressões que nos deparamos: DIVIDA, caixa, fluxo, défict, juros, crédito, débito, orçamento, antecipação de receita, custo, falta de dinheiro, pagamentos de salários, impostos, balanço, engenharia financeira, etc, etc.

    Nos outros times não vejo um noticiário tão específico assim, só no palmeiras.

    Reforços de peso que é bom até agora nada.

     
  • Às 25 de janeiro de 2013 20:59 , Anonymous Edson disse...

    Concordo com todos os debatedores.

    Desvalorizar um jogador é desvalorizar a grana do Palmeiras.
    Há tempos venho dizendo que nós, os torcedores, temos que nos preocupar em torcer e não em administrar. O binômio custo-benefício é a expressão que a imprensa usa para denegrir o Palmeiras e parte da torcida usa.
    Concordo em gênero número e grau que a parte burra da torcida faz esse papel.

    Por outro lado, concordo com o torcedor realista. PQP, como se fala termos de contabilidade no Palmeiras. Deve ser o campeão nesse quesito.

    Em relação ao Beluzzo, não tenho o que criticar, fez o que pode para ser campeão e devolver a auto-estima do Palmeirense.
    Há muito tempo não tinhamos um presidente Palmeirense, e ele foi palmeirense em todos os momentos.
    Sua grande falha foi manter o cipullo, que foi um péssimo dirigente de futebol.
    O Belluzo só não foi campeão brasileiro por sabotagem externa e INTERNA, não tenham dúvidas disso.

    Riquelme? O nome agrada, mas seria mais um "perna cansada" a se aposentar com um gordo salário no Palmeiras.

     
  • Às 26 de janeiro de 2013 10:59 , Anonymous Marco disse...

    Contratações e custos podem ser analisados em conjunto, mas sem a conotação aplicada ao Palmeiras.

    Com o valor de salários a ser pagos para dois jogadores em final de carreira (Riquelme e Assunção), por mais qualidade que tenham, o Palmeiras tem condição de reforçar seu elenco com cinco ou seis atletas de posições em que o time é carente.

    A contratação do Riquelme e a não renovação do Assunção foram elogiadas, mas isso não significa não querer que sejam contratados bons jogadores. Trata-se de uma questão de opção por nomes e pela condição atual do atleta, tanto na parte física quanto na parte técnica.

    Como sugestão, o Palmeiras deveria procurar o Vasco e negociar com Dedé e Eder Luís, oferecendo jogadores que o Vasco mostrou interesse.

    O Torcedor Realista tem toda razão quando cita o excesso de preocupação financeira só com o Palmeiras, mas isso começa com a imprensa e ganha corpo na própria torcida do time que entra na onda e sai pela internet escrevendo inutilidades.

    O primeiro passo para acabar com isso é que comentários financeiros parem de sair da própria direção. Depois, passa pela torcida aprender ignorar o que a imprensa planta.

    A receita de que notícia ruim do Palmeiras significa audiência precisa acabar. A imprensa vende o que o torcedor quer comprar e no caso do Palmeiras criamos uma geração masoquista que se alimenta de desgraça, tem prazer pelo fracasso. A entrada dessa nova direção no clube poderia significar também uma mudança de mentalidade geral.

    No final do ano muita gente pedia a contratação de um novo goleiro. Veio o Fernando Prass e logo em seguida surgiram em blogs de torcida criticas quanto ao salário do goleiro. Reclamam que o Palmeiras não faz grandes contratações, comparando com os nomes famosos de outros times ao mesmo tempo em que condenam os salários de nossos jogadores que ganham muito menos que Fred, Deco, Ganso e Pato.

    Basta imaginar como seriam as discussões em blogs sobre salários se o Palmeiras trouxesse, por exemplo, o Fred!

    Não há dúvidas de que resultados em campo mudam tudo, mas para que os resultados apareçam é preciso cuidar de todos os aspectos. Como exemplo mais significativo disso cito o caso da eliminação do time gambá pelo Tolima.

    Montaram uma verdadeira operação de guerra para recuperar a moral do time e da torcida. Caso essa eliminação tivesse acontecido com o Palmeiras, a diretoria pela inércia, a imprensa pela má intenção e a torcida pela ingenuidade teriam transformado a temporada em um verdadeiro inferno e o rebaixamento seria antecipado em um ano.

     
  • Às 26 de janeiro de 2013 13:17 , Blogger Miguel disse...

    Achei o comentario perfeito, se Brunoro e PN acharam melhor não trazer o argentino,então é melhor acreditar. Agora temos profissionais respeitados no comando, e temos que acatar. Como eles não são bobos, acho que virão jogadores revelações de boa qualidade e não medalhões consagrados e acomodados. É esperar para ver.

     
  • Às 26 de janeiro de 2013 19:57 , Anonymous Anônimo disse...

    Alcides, Boa Tarde

    Novamente, perfeito seus comentários.
    Nunca antes, em meus 30 anos de idade, havia ficado tão ansioso diante de uma eleição no Palestra. Só de pensar em um provável(novo) fracasso de Nobre, já ficava com aqueles calafrios, como os que ocorrem antes de um jogo decisivo ou um dérbi "engasgado". Confesso que, na madrugada de segunda-feira, quando soube do resultado, vibrei como se fosse um gol "salvador" aos 47' do 2º. Alguma coisa me dizia que o clube já estava aos 47'...e que precisava deste "gol" para não ser eliminado.

    Sinceramente, não sou de depositar confiança assim nas pessoas tão "rapidamente", ainda mais no meio político - mesmo que seja de um clube/sociedade de futebol.Não conheço o Nobre pessoalmente, tampouco sua história. Nem do outro candidato, o Sr. Decio Perin.
    Mas, sabe lá Deus o porquê, torci para que ele fosse eleito. E agora estou estranhamente confiante,tratando-se do Palmeiras. Posso estar errado, pode ser que eu me frustre, pode ser que nada dê certo e que ele seja um "mais do mesmo" repaginado. Sei que corro esse risco, mesmo porque estamos falando da tão folclórica política da pizza palmeirense.

    Mas, só o fato de nosso presidente, até o momento, ponderar entre o Mustafismo (com certeza ele deveria profissionalizar os "cannolis" da Rua Javari - bem longe da Turiaçu) e o governo "passionista" do Beluzzo (a quem admiro pelo grande palmeirense e profissional de renome que é)já me deixa bem mais tranquilo e confiante. Só o fato de ele, em pouquíssimas horas, ter montado um time vencedor, mesmo que "apenas" para seu "governo" , acostumado com vitórias através de processos sérios e competentes, serviu, em minha opinião, para enxergar algo neste túnel tão comprido, de tantos "anos-luz".

    Sinceramente, novamente, darei mais este voto de confiança. Desta vez,é escanteio e vou optar por mandar o time todo pra área. Afinal, estamos ainda aos 47' do 2º, precisando do gol da classificação para o século XXI.Independente de quem seja o autor.

    É ver pra crer.

    Abraço,

    Marcos Laruccia

     
  • Às 26 de janeiro de 2013 19:59 , Anonymous Anônimo disse...

    Correção:

    Novamente, perfeito "em" seus comentários.

    Abraços,

    Marcos Laruccia

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial