Observatório Alviverde

23/08/2013

A TORCIDA PRECISA APOIAR OS JOGADORES E RECONHECER O TRABALHO DE kLEINA. SÓ ASSIM VAMOS SUBIR!



 
Eu sempre disse e vou repetir: boa parte dos problemas do Palmeiras provêm de sua torcida, boa parte dela fanática e insana.

Sempre me bati e o farei, enquanto viver, reivindicando um tratamento equânime e equitativo em relação aos nossos maiores adversários.

Entretanto, por questão de honestidade, caráter e princípios, vejo-me obrigado a denunciar o "quinto-colunismo" explícito e escancarado fomentado por parte considerável da mídia palestrina.

Este é um problema mais que do que sério, seriíssimo, pois essa parcela da mídia palestrina, extremamente influente,  em determinados momentos, consegue ser ainda pior e mais deletéria ao clube do que a mídia comum que há anos persegue, deprecia e trabalha para apequenar o Verdão.

Vejam se é possível:

O Palmeiras está há 12 jogos sem perder, com 7 vitórias consecutivas e encaminhadas as classificações nas duas competições que disputa, mas isso parece não bastar para arrefecer os ânimos de nossa presunçosa torcida, ressalvadas as exceções de praxe.

O que mais se lê em blogs e mídias sociais, são manifestações de insatisfação (?, como pode?) com a ótima campanha do time. Inacreditaaavel!

Mais do que isso, uma inexplicável e irracional hostilidade a Kleina e a jogadores como Márcio Araújo e Juninho, constante, interminável, que recrudesce, encorpa e amplifica a cada jogo, mesmo que o time saia de campo na qualidade de vencedor.

Isso é inadmissível e mostra bem o caráter personalista doentio e a insaciedade inexplicável de parte de nossa torcida, responsável, muitas vezes, aliás,  por certas crises que se instalam no clube. 

Kleina tem sido chamado, desprezivelmente, como um técnico de série B e já vejo um movimento orquestrado em muitos blogs e sites que compõem a mídia palestrina, no sentido de que ele não tenha o contrato reformado e, consequentemente, não seja o técnico do Palmeiras no ano do centenário.

Confesso-lhes, eu também não acreditava em Kleina, mas fui paciente e esperei que ele realizasse o seu trabalho.

Não acreditava, sobretudo, por não ser ele aquele técnico cascudo, tipo Felipão, Muricy ou Luxa, tipos que se colocam acima de tudo e de todos ao assumir qualquer clube, e, muitas vezes, sobrepõem-se e atropelam os próprios diretor de futebol e o presidente.

Mas, por incrível que possa parecer, a maior força de Kleina é a sua fraqueza, pois, no mundo moderno e distenso em que vivemos hoje, parece que já não há mais lugar para durões!

O elenco gostou de Kleina, de seu modo educado de ser, de sua finesse e de sua preocupação em só elogiar os atletas quando vem a público através da mídia, ainda que muitos dos citados estejam fora de seus planos. Em suma, Kleina é, antes de tudo, um profissional ético!

Há uma velha mania em boa parte da torcida palmeirense, de menosprezar, diminuir, desvalorizar e, até, de demonizar os técnicos egressos de times do interior.

Por isso, rejeitam Kleina afirmando que ele serve, apenas, para a Ponte, não para o Palmeiras. 

É preciso, entretanto que, principalmente, os novos torcedores lancem um olhar retrospectivo à história recente do Palmeiras, onde poderão verificar e constatar que o técnico mais vitorioso veio, coincidentemente, exatamente do time pontepretano. O nome dele? Vanderley Luxemburgo!

Por que, então, atrapalhar e não permitir que Kleina continue desenvolvendo com tranquilidade o seu trabalho?

Na verdade, quem merece todas as críticas e "reproches"são aqueles torcedores que movem, incessantemente, essa odiosa campanha contra um técnico honesto, trabalhador, moderno e, até o momento, vencedor e digno de nossos encômios, louvores, respeito e elogios! 

Da mesma forma, a nociva campanha difamatória é estendida e, ao menos neste momento, circunscrita e resumida a dois atletas, Márcio Araújo e Juninho.

Não vou defender Araújo a ponto de colocá-lo como insubstituível ou como um craque de ponta em sua posição e "imexivel",  muito longe disso!

Em primeiro lugar, perguntemos:

O Palmeiras poderia ter alguém melhor na posição? 

A resposta é muito fácil.

Claro que sim!

Um substituto, do ponto de vista técnico-individual,  não seria tão difícil de ser encontrado, desde que o clube pudesse e se dispusesse a gastar.

Mas o Palmeiras, neste momento, dispões de recursos para investir em um volante de contenção ou assemelhados de maior expressão?

Na real, colocando-se as coisas de forma prática e objetiva, o que temos em mãos é Araújo.

Fora ele, temos um ou outro jogador experiente mas de menor condição técnica como Wendel, ou jovens promissores, porém ainda imaturos como Denoni que carecem de cancha e experiência.

A constatação a que se chega é a de que o maranhense, se não é nenhum portento, é um jogador de boa qualidade e potencial, que entre altos e baixos, mas altos do que baixos, vem correspondendo ,se não as nossas expectativas, mas as nossa necessidades.

Em um olhar amplo sobre os times, elencos e jogadores disponíveis no atual futebol brasileiro, constata-se, facilmente, que Araújo é superior a 60% dos volantes de contenção da série A, e transita na faixa de um bom jogador.

Já na série B, supera a marca de 90% entre todos os que vi, até agora e, nessas condições, pode ser considerado um atleta especial, de grandes utilidade e valia para a competição.

Mais do que tudo isso, é um atleta de grupo, disciplinado, que exerce, por incrível que possa parecer, forte liderança em campo. 

Em decorrência, principalmente, disso, foi apoiado por todos os técnicos com os quais trabalhou no Palmeiras, Muricy e Felipão, inclusive.

É desnecessário citar a versatilidade de  Araújo que já atuou em várias posições diferentes e mesmo nas contingências de adaptação e improviso, não reclamou, foi para o sacrifício e não comprometeu.

Pelo contrário, mostrou, para quem se dispusesse a enxergar, a sua condição de jogador comunitário, espécime em extinção no futebol atual, mais do que profissional, um antro de mercenários!

Quanto a Juninho, o Palmeiras comprou, senão gato por lebre, menos, marreco por pato.

Juninho está longe de ser um lateral marcador e se assemelha, muito mais, a um ponta à antiga, embora sem tanto drible nos pés como os jogadores daquela época, todos sepultados pelo "revolucionário" ídolo dos idiotas e paga-paus da mídia de minha época, Telê Santana, o "mestre"! Hahahahahahahhahahaha....

Só por essa intervenção esdrúxula e indevida no futebol brasileiro - funcionou apenas no São Paulo com o auxílio precioso das arbitragens - não deveriam ter-lhe atribuído o epíteto de mestre, mas esse é um outro assunto!

Juninho, nem ponta, nem lateral, nem armador,  foi outra indicação de contratação absurda de Felipão.

O Palmeiras, estupidamente, fez um altíssimo investimento em um jogador mediano com rótulo de craque, que o Figueira conseguiu passar à frente por um exorbitante preço de craque. 

Agora é preciso que se compreenda que, se com Juninho está ruim, sem ele será pior, haja vista a inexistência de alternativas individuais de banco e da impossibilidade anunciada por Paulo Nobre de novas contratações.

A opção natural, Fernandinho, além de estar em fase final de recuperação de fratura, foi picado pela mosca verde (leia-se Kleina) e quer jogar como meio campista;

Aí, é forçoso reconhecer, não há lugar para ele, a julgarmos pelo que mostrou até agora. O futuro dele, a Kleina pertence, ao menos por enquanto!

Juninho é um dos jogadores da preferência de quem escala, e  GK, em passado bem recente, não permitiu que ele se transferisse para o Vasco. Agora tem de segurar as pontas!

Seria um excelente negócio para o jogador e para o Palmeiras, que poderia, no amplo universo do futebol brasileiro, sobretudo, da série B, encontrar opções bem melhores e mais baratas. Kleina dormiu de touca!

Mas, convenhamos, nós que estamos aqui, do outro lado do campo e que temos, apenas, o poder da opinião, jamais da resolução, o que é que se pode fazer agora? 

Tirar Juninho para colocar quem? 

O lento Marcelo Oliveira, que nos deixa mais compactos na defesa mas que tem tão pouca força e velocidade no apoio?

Portanto,  a conclusão é óbvia: não temos, no elenco, ninguém melhor do que Juninho para a ala esquerda. Diga-se, também, de passagem, ele tem melhorado bastante o seu rendimento nos últimos jogos.

Creio que já passou da hora de a torcida abrir os braços e proporcionar um "time", um descanso, uma folga, uma trégua ou, sei lá como definir, uma condição ambiental favorável para que Kleina continue seu trabalho profícuo e vencedor, ao menos pelo que os números verberam até agora.

Da mesma forma, vamos motivar e incentivar Araújo e Juninho, considerando os seus acertos, reconhecidamente maiores e, até onde for possível, relevando os seus erros, muito menores.

Eu sei que está cheio de sites e blogs da mídia palestrina, ligados à política interna do clube e que procuram manipular opiniões, estabelecer a discórdia e o caos ao clube visando ao favorecimento de suas correntes políticas, colimando o poder!

É para esse aspecto que o torcedor comum do Palmeiras tem de abrir os olhos e estar atento, a fim de que ele não seja transformado em massa de manobra e servir de talher para que outros possam se banquetear com todas as benesses decorrentes do poder.

É necessário a crítica, sim, mas a crítica que possa ajudar a construir um Palmeiras maior e, sobretudo, melhor!

Que tal frustrar esses donos de blog para os quais a política do quanto pior, melhor é a que mais lhes convém?

O Palmeiras, neste momento, está vencedor, mas para que ele seja, de fato, vencedor, urge que a torcida respeite e reconheça o bom trabalho de Kleina,

Mais do que isso, que, simbolicamente, abrace os jogadores, mesmo aqueles de quem não gosta ou pelos quais não nutra simpatias, pois, queiramos ou não, nas atuais circunstância e hora, o Palmeiras não fará investimentos.

Para que o time possa voltar à elite, temos de dar, também, a nossa contribuição.

Pensem que essa contribuição, principalmente, passa pelo apoiamento de todos os palmeirenses de bom senso, a um grupo que, longe de ser limitado, é, disparadamente, o melhor entre todos os que disputam o acesso. Não creiam, por favor, na política derrotista de alguns porque não procede!

Por extensão, como ficou provado ao término do Paulistão e  evidenciado no jogo contra o Atlético PR, já dispomos de um elenco capacitado a disputar a série A, em muito melhores condições do que aquele que foi rebaixado no ano passado.

Mas, se você não conseguir fazer o que sugerimos, ajude o time com a imensurável força de seu silêncio!

COMENTE COMENTE COMENTE 


LEIA ESTA MATÉRIA DE RODAPÉ, MUITO IMPORTANTE!  

 https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQHqxLbKKvfMrmztVxcwVlMQg_I1QeJrYkTSu_kqZJcBxwexOaSEg
Kleina erra se poupar os sãos e os que não gostam de viajar de ônibus!

Concordo, plenamente, com a disposição de Kleina em poupar Valdívia para o jogo em Curitiba, porque se recupera de contusão!

Não concordo, definitivamente, com Kleina quando ele fala em poupar titulares "por cansaço"!

Cansaço de que?

De jogar - como se joga desde que se instalou refletores para jogos noturnos na década de 40 - dois jogos por semana?

Se os atletas não aguentam dois rotineiros jogos semanais, existe alguma coisa errada em nossa preparação física!

O Palmeiras precisa, cada vez mais, ganhar entrosamento, o que, apenas, se consegue, mantendo o time titular sempre jogando.

O jogo em Varginha é tão importante quanto o jogo na capital paranaense, pois envolve o nosso retorno à elite.

Ademais, no terreno das probabilidades, é muito mais possível que retornemos à primeira divisão, do que sejamos campeões da Copa do Brasil.

Por isso, seria de bom tom que colocassemos em campo a nossa força total em ambos os jogos.

Que Kleina não tenha medo da verdade e peite possíveis aproveitadores que, mesmo em um ônibus espetacular como você vê na foto, com todo o conforto, alegam estafa e desejam obter o passaporte para uma folga remunerada no instigante fim de semana paulistano!

Eles vão alegar que, para se prepararem melhor para o jogo em Curitiba seria de bom alvitre eliminar uma "cansativa" viagem ao interior de minas, no chamado voo rasteiro!

Cruzeiro, Atlético e América, para quem não sabe, viajam constantemente às longínquas cidades do interior mineiro, que distam, às vezes, quase mil quilômetros de Belo Horizonte,  Varginha inclusive, quase sempre, de ônibus.

Os jogadores não reclamam e nem pedem para ser poupados!  (AD)

7 Comentários:

  • Às 23 de agosto de 2013 14:29 , Anonymous Anônimo disse...

    Alcides, boa tarde.

    Tenho minha opinião sobre o volante Márcio Araújo, e não é uma opinião forjada pela campanha dos demais bloguistas.

    Mário Araújo não é volante de contenção, na realidade sua posição real é a mesma do Wesley.

    Trata-se de um segundo volante, mas nessa posição Wesley, Charles, Léo Gago e Mendieta - sim, Mendieta é segundo volante! - estão à sua frente.

    Para a posição de volante de contenção, o Palmeiras não precisa de nenhum investimento, pois isso já foi feito.

    O titular na minha opinião seria o uruguaio Egurem, experiente, marcador, de bom passe e de porte físico mais avantajado que o do Márcio Araújo.

    Sua presença no time acabaria com os buracos na cabeça de área, reforçaria o poder de disputa aérea e liberaria o lateral direito pra atuar como gosta, atacando.

    Aliás, Luiz Felipe é ambidestro e jogando como lateral esquerdo é infinitamente melhor do que o Juninho, quem assistiu a Copa São Paulo sabe disso.

    É isso, mas é só minha opinião.

    Dinho Maniasi

     
  • Às 23 de agosto de 2013 14:33 , Anonymous Anônimo disse...

    Em tempo, minha opinião não significa que sou contra o atual titular da camisa 18.

    Considero um jogador muito bom, aplicado, honesto, cumpridor e não sou favorável a nenhum tipo de campanha contra ninguém, nem jogador, nem treinador.

    Apenas vejo opções no elenco que me agradam mais.

    Dinho Maniasi

     
  • Às 23 de agosto de 2013 14:44 , Anonymous Alcides Drummond disse...

    Dibho

    Lembro-me de Araújo no Galo como segundo volante e, por sinal, muito bem.

    Já tive a oportunidade de abordar o assunto aqui no blog,e, concordo inteiramente com você.

    Aba (AD)

     
  • Às 23 de agosto de 2013 15:15 , Anonymous Mestre dos Magos disse...

    ALCIDES

    Em seu texto, só faria uma colocação.

    Sobre o time jogar de ônibus em Minas.

    São 7 horas num confortável ônibus.

    Mas Alcides, mesmo sendo confortável, 7 horas num ônibus acaba com qualquer um.

    E nesse momento, ir de ônibus ao meu ver, seria uma ECONOMIA BURRA.

    É isso que eu queria colocar.

    Se vai de ônibus, então é preciso sim poupar alguns titulares e dar ritmo de jogo a jogadores como Eguren, o zagueiro Thiago, o lateral-meia Fernandinho, Vinicius que volta, Serginho (bom jogador), Rony, enfim, tem que colocar esses jogadores no ritmo, pois eles poderão ser o fiél da balança no jogo de volta contra o Atlético-PR.

    Mas em tempos de vacas magras, sei que Paulo Nobre vai optar em utilizar o ônibus, afinal de contas, estes que citei acima estão bem menos desgastados do que os demais.

    Pra mim, particularmente, o que for feito, será feito com discernimento e planejamento.

    Saudações.

    ** Em tempo, nem vou considerar coisas do tipo:

    - Ganhando o que eles ganham, eu iria até de carroça.

    *** Não vou considerar porque eu também iria, rsrsrs.

     
  • Às 23 de agosto de 2013 15:30 , Anonymous Marco disse...

    Juninho, Márcio Araújo são os exemplos atuais para a discussão do papel nocivo que parte da torcida do Palmeiras desempenha sobre o time.
    Opiniões e preferências pessoais, contra e a favor a esses jogadores ou qualquer outro são normais, como são as opiniões manifestadas aqui.
    Entretanto, fora daqui, por muitos lugares da Mídia Palestrina existe uma situação de perseguição pessoal exercida por parte da torcida sobre alguns jogadores do clube. No momento Araújo e Juninho são os escolhidos.

    Estamos nos acostumando a ver jogador que "não presta" por aqui sair do clube e ter papel decisivo por outros times. Recentemente, até fazendo gol que garantiu a Libertadores para time de menor expressão do que o Palmeiras no cenário nacional.
    Caso Juninho e Márcio Araújo deixem o Palmeiras, como quer essa parte da torcida, no minuto seguinte novas vítimas serão escolhidas para ter suas cabeças na guilhotina.
    Muito mais importante para o Palmeiras do que a saída ou permanência desses dois jogadores seria acabar com esse ranço que infesta parte da nossa torcida.

    A citação de rejeição a treinadores e jogadores vindos de clubes menores é outro problema de mentalidade pequena que enfrentamos.
    Muricy tinha muito nome e jogou fora um campeonato brasileiro escalando equipes que indicavam covardia e medo, chamando os adversários para cima do Palmeiras, mesmo os mais medíocres.
    Nossas academias foram montadas com muitos jogadores e treinadores vindos de times pequenos. O exemplo do Luxemburgo, na época da Parmalat é recente em termos de história, mas a montagem da segunda Academia que começou com Rubens Minelli também foi marcante.
    Tem também a rejeição aos jogadores com nome terminando em “inho” e “inha”, outra prova de pensamento infantil, como se o nome do jogador determinasse sua condição técnica.
    Nelinho, Joãozinho, Mazinho, Zinho, Pedrinho(LE), Djalminha, Palhinha, Chinesinho, Leivinha, foram todos pernas de pau!

     
  • Às 23 de agosto de 2013 16:34 , Anonymous Anônimo disse...

    São Paulo / Varginha - 320 km

     
  • Às 23 de agosto de 2013 19:53 , Anonymous Edson disse...

    Só o Palmeiras não pode viajar de ônibus
    Sempre que sai esse assunto, a imprensa critica, fala e desfala, faz e desfaz.
    Qual é? Conforme a distância, é muito mais confortável ir em um bom ônibus leito, com bancos confortáveis, que permitem esticar as pernas, dormir e descansar, coisa que não se pode fazer em um avião, exceto nas classes de preços mais caros.
    Além disso, evitam-se horas e horas de aeroporto e espera.
    Lembro-me bem de quando o Felipão disse que viajar de ônibus para o interior de São Paulo era melhor do que de avião, sendo imediatamente ironizado pela crônica, que fica sempre à espreita para falar e inventar assuntos negativos do Palmeiras.
    Varginha tem aeroporto? Se não, o ônibus é obrigatório e melhor.

    Opinar sobre jogadores e direção técnica, faz parte das discussões de futebol, porém campanha contumaz, desumana, desrespeitosa, inapropriada, só a torcida do Palmeiras faz.
    Tudo isso sai, normalmente, daqueles que acham que são mais palmeirenses e mais inteligentes que outros palmeirenses.
    Acham-se técnicos, dirigentes, marqueteiros, etc...
    E aí começam com pejorativos, como torcedor de sofá, valdivetes, marcionetes, felipetes etc... e a chamar jogadores de lixo.
    Graças a Deus, esses imbecis são poucos, porém, infelizmente, escrevem essas porcarias repetida e diuturnamente.
    Determinados blogs da mídia palestrina têm inúmeras participações, porém poucos participantes, todos seguindo o que manda a filosofia do blog, que por sua vez segue a linha política que mais lhe é interessante. Fazem tão mal ao Palmeiras quanto a mídia tradicional.

    Torcedor tem que ser torcedor e procurar não prejudicar o time.
    Esse é o fato.

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial