Observatório Alviverde

18/05/2017

PALMEIRAS 1 X 0 INTER - NÃO PRECISAVA SER NA BACIA DAS ALMAS!



Primeiro erro do Palmeiras: respeitar demais o Inter mesmo sabendo que tem mais time. Ficou claro quando abdicou da costumeira "blitz" inicial, marca registrada dos times de Cuca que tanto inibe e intimida os adversários.

Reconheça-se, porém e antes de tudo, o acerto da escalação do time principal. 

Se houver necessidade de poupar alguém visando à Libertadores que aconteça  sábado, em Chapecó. 

Cuca sabia que uma derrota para o Inter eliminaria sumariamente o time da Copa do Brasil, competição que ele pode ganhar -a partir de agora- em apenas cinco jogos, sendo dois dentro de casa.

Ademais, ainda que lance mão de um time misto em Chapecó, objetivando priorizar a Libertadores, (agora sim espero que o faça), mesmo que perca para o time "catarina", terá amplas perspectivas de recuperação no decorrer de trinta e seis intermináveis rodadas do Brasileirão.

Segundo erro do Palmeiras: remover o "limpador de para-brisas" Felipe Melo da esquerda onde havia necessidade de cobrir Zé Roberto (até quando será assim?) e passá-lo para o lado oposto, isto é, mais pelo setor direito da defesa. 

Acontece que os dois canhotos do Inter, D'Alessandro e Nico Lopes, por sinal seus principais jogadores, inteligentemente procuravam sempre ocupar os espaços onde Melo não estava (normalmente o lado direito) e, em razão disso, distribuíam o jogo à vontade. 

Trabalharam, em setenta por cento dos lances, cambando pelo pelo lado oposto àquele em que se encontrava Felipe, o jogador palmeirense que mais bem realiza a função de marcação no chamado primeiro combate. 

Essa foi a razão da proliferação de tantos cruzamentos contra a área palmeirense, verdadeiro "raid" aéreo que tanto incomodou mas que teve a utilidade de mostrar a Cuca a vulnerabilidade de sua defesa no jogo pelo alto.

Foi através do jogo aéreo ofensivo que o Inter mais incomodou o Palmeiras, tanto nas cobranças de escanteios quanto de faltas, mesmo as de média e longa distância.

O que o Inter usou de bola comprida no jogo em viradas bruscas que enganavam a defesa foi uma grandeza. 

Sempre havia alguém livre com a bola no pé olhando para a frente, pensando o jogo e  lançando em velocidade, se aproveitando da preocupação constante da defesa palmeirense em cobrir Zé Roberto.

Jean levou N bolas nas costas em lances dessa natureza e não fosse a cobertura de Mina e a precipitação de Marcelo Cirino nos cruzamentos, o Palmeiras teria sofrido gols em lances oriundos daquele setor.

Virtude do Inter, defeito do Palmeiras, ficou muito claro que o Verdão carece de um exímio batedor de faltas e escanteios, porque é visível a sua deficiências nesses dois quesitos que têm o poder de decidir os jogos. 

Terceiro erro do Palmeiras: Cuca, teimosamente, manteve Zé Roberto no time até o final do jogo, ainda que saltasse aos olhos até do menos arguto observador que o Inter explorava o jogo em seu setor.

O time de Zago usava prioritaria e abusivamente o lado direito do campo atacando em bloco com o ala, um atacante e um volante, procurando manter os seus dois canhotos próximos para a articulação, enfiadas e tabelas, mas principalmente para os lançamentos e arremates. 

Menos mal que ZR, ontem, esteve bem na marcação e inteligentemente absteve-se de subir para o ataque. 

Aliás, se ele avançasse irresponsavelmente o Palmeiras poderia até ter levado gols pelo setor, considerando-se também a veteranice de Dracena, embora em menor escala, que tinha a obrigação de dar-lhe o necessário suporte.

Como ZR raramente avançou, o Inter procurou ocupar o espaço e foi pra cima como podia e com tudo o que tinha. Zé Roberto, então,  tem de ser elogiado por sua visão de jogo e principalmente por sua responsabilidade e altíssimo profissionalismo!

Com tudo e apesar de tudo é forçoso admitir que o Palmeiras, desde o ano passado carece urgentemente, D-E-F-I-N-I-T-I-V-A-M-E-N-T-E, e não há mais como esconder ou camuflar uma situação que se agrava a cada jogo, de um lateral esquerdo jovem e eficiente.

Zé Roberto, do ponto de vista defensivo até que tem se saído bem, mas o futebol de hoje exige dos laterais aquele algo mais, isto é, apoio ao ataque, puxadas de contra-ataque, cruzamentos precisos, chegadas constantes e até arremates ao gol. 

Tudo isso, reconheça-se não é mais a praia desse correto jogador, provido de grande técnica, mas, visivelmente limitado pela idade.

Na verdade o Palmeiras com Zé, comparativamente, é  como se fosse um jovem atlético, forte e vigoroso que perdeu uma das pernas e, em razão disso, está impedido de fazer uso de suas melhores potencialidades. 

Palmeiras, em razão disso, é um time amputado pelo lado esquerdo e Zé, apesar de todo o seu esforço, doação, boa vontade e abnegação representa no máximo uma prótese na perna esquerda palmeirense, mas daquelas mais antigas.

Há, mais do que simples carência, a necessidade imperiosa da contratação imediata de um lateral esquerdo de mobilidade, que defenda bem e se apresente para atacar, para que, de fato, Cuca possa formar um time quase perfeito, haja vista que a perfeição é utópica em se tratando de futebol.

E, se mal pergunto me perdoem, por que não fixar Michel Bastos no setor, ele que começou no futebol nessa posição e tem "know-how" suficiente para ser a solução?  

Dizem que ele detesta atuar como ala, mas não acredito que prefira o ostracismo do banco à possibilidade de assumir a titularidade em um time vencedor, numa posição que ele, aliás, conhece muito bem. 

E antes que eu esqueça sua presença no time principal ajudaria a solucionar o problema (grave, recorrente e crônico) da falta do homem da bola parada.

O quarto erro do Palmeiras: Tchê tem sido o grande sacrificado no esquema de Cuca. Por sua conhecida versatilidade tem sido explorado em funções diferentes a cada jogo. Isto, na verdade, impede que ele tenha uma linearidade de produção e rendimento.

Ontem Tchê-Tchê cumpriu novamente outra função tática à parte, naturalmente pré definida e como missão. 

Foi a sombra de D'Alessandro, acompanhando-o por todo o campo tentando exercer uma forte marcação individual sobre aquele que é a cabeça pensante em campo do colorado gaúcho.

Desta vez não conseguir cumprir com eficiência a tarefa em decorrência da mobilidade e do QI futebolístico beirando à genialidade do argentino.

Em razão disso o Palmeiras perdeu um de seus melhores articuladores de chegada ofensiva cuja atuação em relação àquela de domingo contra o Vasco esteve fraca.muito aquém das expectativas.

O erro de Cuca foi aquele de manter indefinidamente Tchê exclusivamente para marcar e não aproveitá-lo naquilo que ele tem de melhor, isto é, a chegada ao ataque.

Da mesma forma não existiu, ainda que fosse eventualmente, a troca de posições dele com Jean, mérito e criatividade de Cuca que, normalmente, confunde os adversários.

Jean, como se sabe, rende muito mais atuando pelo meio e poderia ter sido (aqui se trata apenas de uma expectativa) mais efetivo na vigilância a D'Alessandro, tanto e quanto Tchê pelo lado direito, sendo um jogador mais veloz e mais criativo do que Jean, não apenas defenderia melhor, mas seria muito efetivo em puxadas de contra-ataque.

Enfim, meus amigos, o mais importante é que o Palmeiras venceu, e, principalmente, não levou gols.

O que me chateia é a oscilação do time que não precisava ter sofrido tanto para impor-se ao Inter levando sufuco, bola na trave e submetendo-se a um time de muito menor estofo técnico que tem exclusivamente no empenho, no espírito de luta e na força de vontade as suas principais armas.

Aquela "defezaça, zaça, zaça" do Prass, quase que ao final do jogo, em lance do mais puro reflexo de um goleiro bem treinado, garantiu o resultado favorável que abre ao Palmeiras a perspectiva de fazer o jogo de volta em Porto Alegre jogando por qualquer empate, com a prerrogativa de poder até perder de 1 x 0, resultado que leva o jogo para os pênaltis.

PARA ENCERRAR

"NÃO PENSEM QUE NO JOGO DE VOLTA EM PORTO ALEGRE, O PALMEIRAS TERÁ O MESMO TRATAMENTO LHANO, FIDALGO E GENTIL, QUE O INTER RECEBEU ONTEM EM SÃO PAULO!

NEM FORA E NEM DENTRO DE CAMPO! 

OS GAÚCHOS, COMO DE HÁBITO, SOBRETUDO EM SE TRATANDO DE INTER, TENTARÃO FAZER DO JOGO UMA GUERRA!

 

COMENTE COMENTE COMENTE  








9 Comentários:

  • Às 18 de maio de 2017 12:13 , Anonymous Arnaldo disse...

    Caro Alcides, ... caros colegas

    Desculpem, mas dizer que o Palmeiras 'ganhou na bacia das almas' é uma expressão incompatível com aquilo que vimos no jogo de ontem.

    O gol foi feito no primeiro tempo, o Palmeiras teve várias chances de gol (até no último minuto naquele contra-ataque do Dudu) e passou por apenas dois momentos de real perigo:
    1 escanteio no primeiro tempo (trave e defesa de Borja)
    2) a cabeçada do Dourado e a fantástica defesa do Prass.

    Tirando isso, nada mais.

    Por isso, Alcides, recomendo que você retire a infeliz expressão ('bacia das almas') colocada no título.

    Abraço a todos

     
  • Às 18 de maio de 2017 12:45 , Blogger Irineu Curtulo disse...

    Pessoal se esquece que o Cuca não fez a pré-temporada. O pessoal se esquece que o Cuca teve apenas alguns treinos, pouquíssimos, para desconstruir o que não estava construído. O pessoal se esquece que tivemos um dia de treino após jogarmos com extrema intensidade no domingo e vivenciarmos uma situação atípica de muita ansiedade em relação ao retorno do Cuca. O pessoal se esquece que o Cuca não conhece ainda todo o elenco que tem em mãos. O pessoal se esquece que teremos outro jogo dificílimo nesse fim de semana por um campeonato completamente diferente do que disputamos ontem. O pessoal se esquece que muitos jogadores estrangeiros demoram muito mais tempo pra se acostumarem nas suas novas agremiações. O pessoal se esquece que somos, por natureza, um bando de torcedores corneteiros, que somos técnicos sem nunca termos adentrado num vestiário para comandar uma equipe amadora de futebol. Enfim, tenhamos paciência com todos, pois sabemos que estamos no caminho certo.

     
  • Às 18 de maio de 2017 13:10 , Anonymous VERDE INSUPERÁVEL disse...

    Cuca está fazendo milagres. Pegou um time totalmente desorganizado, e já venceu duas partidas, contra grandes equipes do Brasil. Marcamos 5 e não levamos nenhum. Cuca encontrou um Palmeiras tática e fisicamente em estado deplorável. Ele inclusive já insinuou sobre o preparo físico. Eu acredito piamente em Cuca. Agora o Palmeiras tem rumo.

     
  • Às 18 de maio de 2017 13:15 , Anonymous VERDE INSUPERÁVEL disse...

    Borja não pode sair do Time. Borja vai desencantar. É um grande jogador. Não o trocaria por nenhum outro artilheiro. Aguardem e verão que eu estou certo. Vi vários jogos de Borja ano passado. Ninguém, desaprende de jogar. Mas é difícil aprender a comer alimentos desconhecidos, novos hábitos, poluição, montanhas de gente, trânsito infernal, tudo o que São Paulo tem. Viola não se adaptou na Espanha ! Por quê Borja não tem o direito de demorar para se adaptar no Brasil ?? Borja vai ser o nosso artilheiro em 2017, na final da Libertadores.

     
  • Às 18 de maio de 2017 13:26 , Anonymous Anônimo disse...

    Alcides,

    - O egoísmo do Dudu me irritou bastante

    - Borja não pode se abater tanto por perder um gol. Ele praticamente desistiu da partida

    - Roger Guedes parecia não saber muito bem porque entrou em campo

    - E o Erik lembrou um garotinho quando entra num jogo de crianças maiores. Embora, se sou ele, teria dado uma bronca homérica no Dudu.

    Abraço!! Hudson

     
  • Às 18 de maio de 2017 14:12 , Anonymous Bandeira Verde disse...

    O Alcides tá certo. Ganhamos na bacia das almas mesmo. Foi bola na trave, chutes perigosos toda hora contra o nosso gol bolas cruzadas que a defesa não deu conta e a defesa milagrosa de Prass que impediu o empate.Se isso não é bacia das almas eu não sei o que é. Outra coisa. A gente gosta do Cuca quer o Cuca, torce pelo Cuca mas não quer dizer que ele não erra nunca. Se ele erra tem que falar mesmo. Não adianta ficar querendo arrumar desculpa pra ele. Agora que ele teve pouco tempo para ajustar o time é verdade.

     
  • Às 18 de maio de 2017 14:39 , Anonymous Arnaldo disse...

    Caro Bandeira Verde

    "Vitória na Bacia das Almas" foi o que ocorreu contra o J. Wlstermann e contra o Peñarol, as duas no Allianz. Gols nos últimos lances, após partidas fracas e inconsistentes.

    Por favor, assista os jogos mencionados e veja se tem qualquer comparação possível com o jogo de ontem.

    Eu assisti e vi de novo os três jogos e, na minha visão, ontem definitivamente não foi na 'bacia das almas'.

    [[]]

     
  • Às 18 de maio de 2017 21:39 , Blogger Alexandre Correia disse...

    Avenida Zé 43, ta na hora de parar, só joga até, hoje, no Palmeiras,devido aos abdominais que faz antes dos treinos, e só. Abdominais não ganha jogo.

    E o framengu ficou só no cheirinho de novo, a mamãe grobo não gostou nada disso.

    Mulambo é igual a entregador de pizzas, só sente cheiro.

     
  • Às 18 de maio de 2017 23:10 , Anonymous Fernando disse...

    Pessoal do Sportv torcendo abertamente contra o Palmeiras na transmissão do jogo.

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial