Observatório Alviverde

10/02/2013

CALMA, GENTE! NÃO PERDEMOS, EMPATAMOS E ESTAMOS NA ZONA DA CLASSIFICAÇÃO!

 

Duas falhas individuais gritantes, de Prass e de Wendel, impediram a vitória do Palmeiras sobre o Sapo, ontem, em Mogi.

Menos mal que o empate, foi a reação do time, ainda em formação.

Afinal o Palmeiras teve forças, competência e disposição para reagir a uma virada e, ao menos, mantém o grupo motivado.

Embora a vitória seja, sempre, um resultado insubstituível, esse empate fora a de casa serviu para que a equipe se mantenha, calma, tranquila, moral e emocionalmente e-s-t-a-b-i-l-i-z-a-d-a!

O Palmeiras se prepara, agora, para uma semana complicada, difícílima, porquanto fará dois jogos de suma importância nesta sua caminhada de ajustes e reabilitação.

Um, quinta-feira, contra o peruano Cristal pela Libertadores, com enorme carga de responsabilidade, na estréia, dentro de casa.

O outro, domingo, com pouco tempo para recuperar-se – apenas dois dias - contra a galinhada.

Sobre a importância do “derby” nem é necessário que se trate, porquanto o CU-rintia, em qualquer circunstância, como  nosso maior adversário, sempre foi, é, e, será, eternamente, o time a ser batido e abatido.

Um estado de espírito positivo, de entusiasmo, ambição, ânimo e motivação, é  fator de superação necessário para que o time vá em busca da vitória nos dois importantíssimos confrontos.

O time de Kleina, malgrado o empate de ontem em Mogi-Mirim, continua incorporando esses fatores e isto é animador!

KLEINA MOSTROU QUE PODE SER “O CARA”!

Pela primeira vez confesso que senti firmeza em nosso jovem treinador. A partir de hoje, vou olhá-lo com outros olhos.

Aquele time que todos imaginavam começasse a partida, Prass, Ayrton, Henrique, Ramos e Juninho. Araújo, Denoni, Wesley e Patrik Vieira. Maikon Leite e Vinicius, foi mudado.

Apreciei a coragem de Treina que, constatando as deficiências do time no jogo contra o XV, não foi conservador.

Ousou alterá-lo, escalando uma onzena diferente, surpreendendo todo mundo, principalmente o adversário.

Assim, colocou Wendel - mais lateral do que ala - no lugar de Ayrton - mais ala do que lateral - a fim de melhorar a defesa e a marcação. Conseguiu!

No meio de campo manteve e prestigiou o garoto Denoni, que vinha jogando muito bem.

Poupou Souza, cuja vaga é cativa no time titular, o que, de certa forma, já se esperava, pelo fato de o ruivo estar voltando de contusão.

Souza começou esquentando o banco e só foi aproveitado na etapa complementar quando o Palmeiras levou a virada.

Quando todos esperavam a rotineira escalação de Vinicius no lugar do “finado” Barcos, ele surprendeu escalando o garoto Caio.

Tudo em função de características, haja vista que Vinicius não é homem de área e só consegue render alguma coisa explorando as beiradas do campo.

Caio, ao contrário, mais cerebral, joga enfiado procurando se deslocar, tabelar, fazer o pivô e ajeitar para quem vem de trás, embora careça de experiência e maturidade.

Ontem eu divulguei uma escalação que, ao meu sentir, seria a melhor que o Palmeiras poderia por em campo, assim:

Prass, Wendel, Henrique, Ramos e Marcelo Oliveira. Denoni, Araújo, Souza e Wesley. Maicon Leite e Patrik Vieira.

As diferenças entre a escalação que propus e aquela que Kleina escolheu para iniciar o jogo, eram estas:

a) Na lateral esquerda, Marcelo Oliveira  no lugar de Juninho.

Por quê?

Existe, neste setor, deficiências de marcação, nenhuma cobertura e pouquíssimo apoio com Juninho, hoje o jogador menos eficiente da equipe.

Marcelo Oliveira, possivelmente, não foi escalado por estar em fase de adaptação e aclimatação ao elenco.

Outra vez tomamos um gol por desatenção de Juninho na cobertura da segunda bola, como vem ocorrendo há tempos, desde 2012.

b) No miolo do ataque Caio

Caio pela sua condição de jogador muito jovem não tinha a minha preferência.

Nem Caio, nem Vinicius, eu faria um rodízio de jogadores de maior experiência e criatividade, ainda que não fossem especialistas na posição. Isso poderia confundire demolir a defesa adversária.

Mas, o simples fato de Kleina ter tido a coragem de optar por Caio, não por Vinicius, mostra que ele pode não ser o “pai da matéria”, mas conhece bastante e é do ramo.

Sua coragem e iniciativa em promover alterações em pontos nevrálgicos e vulneráveis da equipe, evidenciam que Kleina sabe do jogo. Muito!

Que culpa teria Kleina em relação ao empate de ontem?

Nenhuma!

Seu time começou melhor, dominou o jogo, criou várias situações, e Prass – não vamos criticá-lo por isto – levou um gol fácil.

Wendel, como penúltimo homem da defesa cometeu, depois,  uma pixotada inominável e o Palmeiras levou o segundo gol.

Não foram falhas de esquema, mas falhas individuais.

Como se diz em minha terra, “ aí não tem tatu que aguente “!

RESUMO DO JOGO

O Palmeiras começou melhor e dominou inteiramente as ações, até abrir o marcador aos 12 minutos;

Como vem ocorrendo sistematicamente,  a partir do gol de abertura recuou instintivamente, como acontece, invariavelmente, toda a vez que o Palmeiras inaugura o placar e sai na frente.

Ao recuar, chamou contra si o entrosado e bem preparado time do Mogi, limitando-se, apenas, a explorar os contrataques.

Postura tática natural, normal, habitual, compreensível, mas estratégicamente falha.

O Palmeiras dispunha, apenas, de Maikon Leite para puxar os contrataques já que Caio e nenhum dos demais atacantes que atuavam eram velocistas.

Numa frase, o Palmeiras parou de jogar limitado a lançamentos longos, profundos e sem o menor efeito prático buscando a correria de ML.

A partir do recuo palmeirense, com facilidade para tocar a bola, sofrendo a marcação apenas a partir da intermediária palmeirense, o Mogi passou a gostar do jogo.

Foi criando várias situações de perigo em umas poucas infiltrações e, sobretudo, em arremates de média e longa distância.

Num lance desses, Rony, de longe, chutou forte.

Prass espalmou sem força, tentando desviar a trajetória da bola pela linha de fundo, mas acabou mandando-a para dentro do gol.  Glu-glu-glu!, um peru!

No segundo tempo o Palmeiras voltou mais agressivo e chegou a fazer, de cara, um gol através de Denoni, bem anulado por impedimento.

Aos 11 minutos, Wesley foi empurrado dentro da área em flagrante penalidade máxima que o Sr. Bragheto não marcou porque não quis.

Esse é o eterno e insolúvel problema que atazana e atrapalha a vida do Palmeiras, ano a ano. Outro pênalti pró não assinalado.

Na TV, Linhares Jr e o argumentador que preside a Aceesp, não ligaram a menor importância ao lance.

Na hora crucial da jogada omitiram-se, completamente, fingindo que não houve nada.

Cerca de dois minutos após, com a evidência da infração na reprise, se viram obrigados a registrar a infração, mas o fizeram de passagem, bem rapidamente, citando que Wesley, de fato, fora empurrado.

Luis Ademar, em vez de dizer que Bragheto houvera errado e prejudicado o Palmeiras, saiu-se com esta infantilidade:

“- Bragheto não marcou esta falta dentro da área porque deixou de marcar aquela falta clara do Marcio Araújo no meio de campo” (lance que ocorrera um minuto antes e que o árbitro interpretara correntamente).

Como é possível que um comentarista jornalista profira uma estupidez verbal dessa monta?

Primeiro porque um lance nada tem a ver com outro. Ou tem?

Segundo porque ele deixou fluir o seu corintianismo, santismo, sãopaulinismo, ou sei lá o que - certamente clubismo - e não fez nenhuma crítica ao erro crasso do árbitro que tinha influência e reflexos diretos no resultado do jogo.

Boa transmissão do Linhares, mas Ademar que tecnicamente esteve bem, simplesmente ratifica que os comentaristas técnicos do Sportv, principalmente os jornalistas, são fraquíssimos – ou facciosíssimos? -nas observações de arbitragem quando escalados para os jogos do Verdão.

O Palmeiras tomou a virada aos 24 minutos, em falha clamorosa de Wendel que não conseguiu controlar a bola, deixando-a passar sob o pé para Henrique (do Mogi) livre.

Pressionado pelo próprio Wendel que tentou, sem sucesso, acompanhá-lo em tentativa de recuperação, Henrique entrou livre e invadiu a área.

Quando tentou finalizar foi abafado por Prass, mas o rebote, devido a desatenção de Juninho que, como sempre, marcou a bola sem prestar atenção em quem vinha de trás, sobrou para Rony chutar forte e virar o marcador: Mogi 2 x 1.

A essa altura o Palmeiras perdia o meio de campo e, bem antes do gol, Kleina já deveria ter colocado Souza, naquele que pode ser considerado o seu único e desculpável equívoco.

Compreende-se que ele queria ter Souza inteiraço para os jogos mais importantes desta semana importantíssima, mas ele se esqueceu de que o jogador também precisava readquirir ritmo de jogo.

A entrada de Souza foi fundamental para animar o time do Palmeiras que passou a atacar com mais consistência, muito em função também do recuo, do desespero e da ânsia  do Mogi em manter o placar de vitória.

Aos 32 minutos o próprio Souza livrou o Palmeiras da derrota, após receber pela meia direita, fintar um adversário e bater em diagonal rasteiro e cruzado no canto direito do goleiro do Mogi, em gol de belíssima feitura.

A partir daí, muito mais por desespero, muito menos por tática ou técnica, os dois times se atiraram ao ataque em busca do gol  da definição.

Tanto o Palmeiras quanto o Mogi desfrutaram de boas chances, mais o Mogi do que o Palmeiras.

Isso ensejou ao goleiro Praas a recuperar-se do vexame do peru, operando excelentes intervenções e garantindo o bicho magro do empate.

INDIVIDUALMENTE

PRASS – Que não seja crucificado pelo peru que levou. É um grande goleiro. Provou isso no Vasco.

WENDEL –  Esforçado, jogador de esquema, defendeu muito, atacou pouco, cumpriu função tática. De seu erro crasso resultou o gol da virada marcado pelo Mogi.

HENRIQUE – O novo capitão, como de hábito, foi o nosso melhor defensor, sem brilhar como em partidas anteriores.

RAMOS – Agora, pelo interior esquerdo, está rendendo muito mais. Uma boa pergunta : Onde estava Ramos quando Prass evitou o gol de Henrique e a bola sobrou limpa para Roni?

JUNINHO – A Avenida Juninho, a mais ampla e larga do Palmeiras continua aberta. Como estamos no carnaval, está iluminada. Não defendeu bem, não atacou com consistência e deveria ter sido substituído.

DENONI – Altos e baixos, bom na marcação e ruim na entrega de bola, principalmente no segundo tempo. Precisa jogar mais para ganhar experiência.

PATRIK VIEIRA – Uma pedra preciosa a ser lapidada. Necessita aprender a dosar o fôlego. Jogou muito no primeiro tempo, fazendo sempre a recomposição para ajudar Juninho mas se apresentando sempre no ataque. Correu demais, desgastou-se, cansou e não esteve tão bem na etapa complentar.

RONNY – Isolado, procurou jogar nos minutos em que entrou correndo bastante e se apresentando como opção para o passe..

Mostrou bom controle de bola, bom passe, boa coordenação, mas não teve com quem tabelar ou se entender porque Patrik Vieira cansou e pouco encostou, enquanto Juninho poucas vezes fez a ultrapassagem para atacar.

WESLEY – No primeiro tempo esteve muito bem e mostrou  lampejos do grande jogador que fora no Santos.

Na etapa complementar sua produtividade caiu demais, muito em função da correria que aprontou na etapa inicial. Já melhorou muito nos passes  e na mobilidade, mas falta chegar mais ao ataque. 

MAIKON LEITE – Está entrando em forma outra vez, mas para que possa render mais, o time tem de se acertar táticamente. ML foi quem mais sentiu a ausência de Barcos, pois fazia as jogadas de linha de fundo e não tinha para quem cruzar.

CAIO – Jogador novo que, também, tem muito a aprender. Esteve sumido no jogo e apareceu esporadicamente sem conseguir criar nada de positivo. Precisa amadurecer muito para ser titular.

VINICIUS – O Vinícius só terá alguma chance de progredir na profissão se for emprestado a outro clube. Ao menos no momento, tem poucas qualidades para ser titular no time do Palmeiras. Suas sucessivas escalações são um equívoco.

SOUZA – Entrou tardiamente no time com a missão de ajudar a reverter o marcador, por sua importância tática, liderança natural, efetividade e, principalmente pela sua eficiência na bola parada. Incendiou o time e foi o autor do gol de empate, constituindo-se na personagem do jogo.

MARCIO ARAÚJO – Parece até que ele leu o blog, pois passou a procurar o gol e o encontrou.

Já são três jogos em que ele pontua, tornando-se um dos artilheiros do time.

Nas outras funções de marcação, primeiro combate e cobertura, vem se destacando e melhorando a cada jogo, tendo melhorado, inclusive, em um quesito no qual vinha falhando em demasia, a entrega de bola.

Sem qualquer dúvida, mais uma vez, Araújo foi o cara, a expressão maior do time do Palmeiras contra o Mogi. Que continue assim!

A ARBITRAGEM

Já falei sobre o erro crasso de Bragheto que deixou de marcar, um pênalti sobre Wesley aos 11 minutos do segundo tempo, embora muito próximo do lance, .

O cartão amarelo intimidador no primeiro minuto do jogo para Denoni mostra que os árbitros insistem em ser rigorosos contra o Palmeiras, muito em função do corporativismo classista. É, ainda o velho desagravo a PCO, Braatz, ao corintiano Hausmann e outros antipalmeirenses da arbitragem.

Por volta de 20 minutos do primeiro tempo, Carlos Alberto deu um tapa em Patrik Vieira. Bragheto marcou a falta mas não aplicou, como manda a lei, o cartão amarelo ao jogador do Mogi.

Ao final do primeiro tempo, acrescentou um minuto ao tempo. Ocorre que um jogador do Mogi caiu em campo aos 44 e quando o jogo foi reiniciado Bragheto, sem considerar a paralização encerrou o primeiro tempo.

Erro primário ou proposital ocorreu em detrimento do Palmeiras que tinha a posse de bola e poderia atacar.

ADVERTÊNCIA

O PALMEIRAS TEM DE ACAUTELAR-SE CONTRA OS MAUS ÁRBITROS E AS ÁRBITRAGENS CONTRÁRIAS, SOB O RISCO DE SE ARREBENTAR NOVAMENTE EM 2013.

E TEM DE FAZÊ-LO, POR PRÓPRIA INICIATIVA, PORQUE, ENTRE OS QUATRO GRANDES, É O ÚNICO QUE A IMPRENSA NÃO DEFENDE.

ESSE COMPORTAMENTO DA MÍDIA VEM  ENCORAJANDO OS ÁRBITROS A, CADA VEZ MAIS, ERRAR GROSSEIRAMENTE,CONTRA O CLUBE.

A TURMA DO APITO E DA BANDEIRA JÁ SABE QUE QUANDO PREJUDICA O PALMEIRAS NÃO CORRE RISCOS DE RECEBER AS CRÍTICAS MORDAZES QUE RECEBE QUANDO ERRA CONTRA OS OUTROS TRÊS GRANDES DO FUTEBOL PAULISTA..

A OMISSÃO INEXPLICÁVEL – OU EXPLICÁVEL? -  DOS JORNALISTAS QUANDO DOS ERROS DOS ÁRBITROS COMETIDOS CONTRA O VERDÃO.

ISTO CONFIGUROU-SE NOVAMENTE ONTEM NO SPORTV  COM LINHARES E LUIZ ADEMAR.

COMENTE COMENTE COMENTE

11 Comentários:

  • Às 10 de fevereiro de 2013 19:31 , Blogger Unknown disse...

    Quando a fase é ruim é complicado mesmo, até a melhora significativa do contestadíssimo Marcio Araujo, que chegou a fazer o seu terceiro gol em 3 jogos, hoje o nosso goleiro que foi aprovado por toda torcida tomou um frangasso... Porém jogo bom neste primeiro tempo e gostei do time do jeito que vi, espero que neste segundo tempo o time possa voltar melhor e liquidar a partida e assumir a vice-liderança.

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 08:54 , Anonymous Marco disse...

    Vários:

    O pessoal do Sportv toma conhecimento das observações feitas sobre eles? No caso, Linhares Jr. e Luiz Ademar ficarão sabendo que mais uma vez a conduta deles ao microfone em jogos do Palmeiras não foi igual a que teriam em jogos de outros grandes? O que diria Luiz Ademar se a penalidade cometida sobre Wesley fosse cometida contra Luís Fabiano, Neymar ou Emerson Sheik?

    E na Band, como seria a transmissão de Luciano do Vale com os comentários de Neto e Osmar de Oliveira como o Paulinho sofrendo essa falta dentro da área?

    Um dos motivos, talvez o principal, do Palmeiras não ter o mesmo tratamento dado aos outros grandes por parte da imprensa é que sua própria torcida não aceita que isso seja feito. Nosso torcedor é o primeiro a rejeitar esse tipo de comentário, preferindo centralizar sua atenção nas criticas ao time. Qualquer outro tema discutido, que não seja criticar a equipe, passa a ser visto como desculpa por um resultado. Com essa mentalidade interna, jamais poderemos cobrar da imprensa que trate o Palmeiras como ela trata os demais. Caso a imprensa se omita em relação a outro grande, seus torcedores serão os primeiros a encher os espaços de comunicação exigindo que ela se manifeste. Ao contrário, se algum jornalista escrever ou falar que houve prejuízo ao Palmeiras será criticado pelos próprios palmeirenses. O dia que o palmeirense entender que pode muito bem analisar seu time EM PARALELO com outros assuntos como: tratamento da imprensa, bastidores, arbitragens, começaremos a resolver nossos problemas extra campo. Quando ele entender que a discussão do extra campo não interfere nas análises do time, que um ponto não anula o outro, a situação muda!

    As direções do Palmeiras também nunca fizeram nada porque tinha mentalidade parecida com a desse tipo de torcedor. Preferem sempre colocar panos quentes e fazer média, sem perceber que essa receita não funciona, nunca funcionou e nunca vai funcionar. Espero que isso mude com a diretoria atual.

    A nova Assessoria de Imprensa do Palmeiras, agora liderada por um torcedor fanático do time da marginal começou mal. Na matéria sobre o jogo de Mogi traz uma manchete negativa, no melhor estilo imprensa esportiva: “Tropeço”. No texto da matéria não cita o lance sobre o Wesley. Desse jeito, não teremos como cobrar nada da imprensa tradicional. Ficamos na expectativa para o próximo domingo. Como será a cobertura da partida entre o Palmeiras e o time da marginal?

    Obs: escolhi comentar sobre os assuntos arbitragem e imprensa, pois tenho certeza de que serão temas ignorados pela imensa maioria das pessoas na análise desse jogo. Para falar ou escrever sobre parte técnica, tática e desempenhos dos jogadores teremos análises de sobra pela internet e nos programas esportivos. Arbitragens e papel da imprensa, como sempre, serão assuntos deixados para décimo plano. Lembrando que o jogo do Mogi Morim foi só mais um e a citação desses problemas visa o restante da temporada. O Mogi, Penapolense e XV já passaram e temos que vencer a série B. Precisamos acertar o time, sem dúvida alguma, mas não podemos cometer o erro crasso de ignorar que mesmo acertando o time, o risco de fracasso é grande, caso os problemas que contribuíram demais para o rebaixamento em 2012 não seja resolvidos.

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 10:22 , Anonymous Mestre dos Magos disse...

    A PERGUNTA QUE FICA...

    QUEM SÃO OS ATUAIS INSATISFEITOS DO TIME?

    Depois do jogo, Kleina mandou um recado:

    "Não podemos permitir jogadores insatisfeitos porque amanhã ele não vai correr por nós. O Barcos queria saber das propostas que chegavam para ele e não vou entrar no mérito financeiro, mas teremos de ser recompensados. A ausência dele é sentida e teremos de analisar com cuidado para ver o que é melhor para o clube", disse o treinador.

    ENTÃO PESSOAL, EU ENTENDI ASSIM:

    - Não podemos permitir jogador insatisfeito no elenco.

    VAMOS FICAR DE OLHO:

    Me parece que tem de fato mais um insatisfeito no time. Nesse que tá jogando especificamente.

    E não irá me surpreender se for o Henrique.

    Saudações.

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 10:35 , Anonymous Marcelo disse...

    Caro Alcides!!

    Seguindo seu conselho, criei uma conta para identificação.( para não ser mais identificado como anonimo)

    Mais uma vez, sua leitura do jogo foi impecável!! Perfeita!!

    Em relação ao Kleina, como você mesmo falou, até que surpreendeu, tendo a coragem de mudar peças no elenco( coisa que o cabeçudo técnico anterior jamais faria), porém não confio nele.

    Acho que, como este elenco jovem, com jogadores com bom potencial técnico, que precisam de orientação e apoio( casos de Denoni, Viera, Caio, e outros) um técnico mais experiente, boleiro, mais para o lado paizão, funcionaria muito melhor.

    Aconselharia a troca imediata , antes do inicio da série B. Podem me chamar de louco, mas um Jair Picerni( que já conhece os bastidores do Palestra) Renato Gaucho, ou até mesmo Joel Santana( que sempre nos defende, enaltece e considera o Palmeiras um gigante) poderiam ser boas escolhas.

    No caso do Joel, lembro muito bem de um jogo tétrico, pela copa do Brasil, em 2003( estávamos rebaixados como neste ano) e o Vitória nos goleou por 7 a 2 em pleno Palestra Itália.

    Após o jogo, a imprensinha, feliz e saltitante com o desastre, procurava incendiar ainda mais o ocorrido, e foi entrevistar o Joel, então técnico do Vitória, saindo de campo.

    Naquele dia, passei admirar o Joel. Ele simplesmente deu um passa moleque no reporter,dizendo com o dedo em riste que, jamais falaria algo naquele momento, devido ao respeito e consideração pelo Palmeiras, e sugeriu ao imundo reporter que fizesse o mesmo.

    Atitudes como esta são raras no futebol, e a partir deste dia, passei a admirar este folclórico técnico.

    Agora, precisamos controlar a imprensinha urgente, ou não conseguiremos ter paz para fazer qualquer tipo de trabalho.

    Além da imprensinha, precisamos de alguém forte para peitar a federação e os arbitros. Não dá mais!!

    Como você mesmo falou Alcides, ou controlamos os vagabundos, ou vamos ter graves problemas este ano para subir!

    Mas será que temos "HOMENS" na "nova diretoria" capazes de fazer isso?

    Será que temos homens capazes de enfrentar os problemas como em 1942, quando quiseram nos extinguir, ou em tantas outras ocasiões em nossa história?

    A resposta é: NÃO TEMOS PESSOAS COM CAPACIDADE PARA PEITAR A IMPRENSA E A MÁFIA DA FEDERAÇÃO!!

    Este é o nosso maior problema!!!

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 11:50 , Anonymous Alcides Drummond, o Editor disse...


    AOS AMIGOS DO BLOG

    HIGINO
    Postou na hora do jogo e fez uma boa leitura do que estava ocorrendo.

    MARCO
    Tudo o que vc diz se reflete tambem aqui no Bolog.

    Quando criticamos a postura da mídia contra o Palmeiras, são poucos os colegas que fazem coro conosco.

    Há como que um anestesiamento geral quando o tema é a influência negativa da mídia.

    Precisamos reagir!

    MESTRE
    Vc le bem nas entrelinhas, mas se esse insatisfeito for o Henrique, espero que o Kleina não seja radical.

    Não há nada que não se acerte através de uma boa conversa.

    O que eu vejo é que um ou outro idiota, por vaidade, talvez não queira disputar a série B.

    Se esse for o problema do Henrique, ra, re, ri, ro, rua.

    Melhor a grana no bolso do que jogador insatisfeito.

    O Palmeiras ainda não aprendeu as lições dos bambis, dos galinhas e dos sardinhas.

    Tem de gastar muito em atacantes porque zagueiros e volantes tá sobrando no mercado.

    Os erros de cntratação do Palmeiras são muito elementares, do tamanho da cabeça da maioria de nossos dirigentes.

    Marcelo

    Até o final da fase classificatória saberemos se Kleina é ou não o nome ideal para a série B.

    Os três nomes citados por você são compatíveis, mas Brunoro já deve ter tomado a opinião de Luxa sobre quem vai treinar o Palmeiras a partir da primeira bobeada de Kleina, na Libertadores ou no Paulistão. Quer apostar?(AD)

    ABS

    Alcides

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 12:20 , Anonymous Edson disse...

    As vezes a mídia palestrina faz o papel da vilã imprensa, sem se dar conta.
    Sou contra a exposição de conjecturas, principalmente citação de nomes de jogadores que possivelmente estão querendo sair ou insatisfeitos.
    Se o Kleina citou jogadores insatisfeitos, espero que logo sejam mandados embora, como foi o Barcos. Tenho até uma suspeita de nome, mas não vou jogar lenha na fogueira, pois posso estar errado.
    Também acho complicado dar vazão a essa idéia de relacionamento próximo entre o Brunoro e o Luxa.
    Acho que todos somos amigos de muita gente, mas isso não nos torna cúmplice e coisas espúrias.

    Quanto ao jogo, acho que o Kleina escalou bem, mexeu mal e consertou posteriormente.
    Com toda sinceridade, prefiro o Mano Menezes, que está dando sopa.

    O Juninho é, como disse o Alcides, um jogador improdutivo. Não ataca, não defende, não faz cobertura e dá nome à via de acesso "Juninho" pela lateral E.
    Sou capaz de afirmar que, com um lateral esquerdo com mais cacoete de ataque, o nosso time melhoraria muito.

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 12:21 , Anonymous vcs nunca saberão disse...

    no embalo do carnaval:

    "olha o gladiodor voltando ai gente".

    Vem no lugar do Marcelo Moreno

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 13:36 , Anonymous Alcides Drummond disse...


    Edson

    Leia o blog do Paulinho edição de hoje e tire as suas conclusões.

    Se fosse mentira o blogueiro seria processado, mas, certamente, não será.

    Quem cala, consente ou não tem condições de desmentir.

    A Máfia dominou o futebol brasileiro e os piores mafiosos são aqueles ligados ao Palmeiras.

    ====================

    O que disse o último bloguista, já circula na mídia gaúcha.

    Se Judas virá ou não, é uma outra conversa, mas que foi oferecido, foi!

    Entre a grana e o juízo espero que o insgne manager opte pela segunda alternativa.

    abs (AD)

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 14:00 , Anonymous Marcelo disse...

    Caro Alcides!!

    Se realmente temos uma "nova diretoria" no Palmeiras, as perguntas feitas pelo portal PTD, terão que ser obrigatoriamente respondidas, conforme abaixo:

    Porém,tenho certeza de que não serão!! Brunoro é um pau mandado, foi enganado,iludido, e não ficará muito tempo!!

    Rolou grana preta($$$$muita grana$$$$), e os responsáveis pela transação, todos já sabem quem são.

    O Sr. Paulo Nobre é fraco, omisso, e não é homem o suficiente para ser presidente do Palmeiras!!( está no mesmo nível do Tirone, e nem o Tirone seria capaz de contratar um "curintiano ,assumido e fanático, para ser responsável pelo marketing do clube)

    Quem manda no clube( hoje mais do que nunca) é o inominável cancer obeso.

    Infelizmente com mais 03 ou 04 administrações como essa, estaremos no caminho da extinção(igual ao Guarani)

    E não adianta "diretas" se não temos HOMENS no nosso clube, capazes de administrá-lo como o gigante que o é!!

    VEJAM AS PERGUNTAS FOMRULADAS PELA PTD;

    Como transparência e profissionalismo seriam as marcas da nova gestão, o PTD espera receber do diretor executivo José Carlos Brunoro as respostas das 30 perguntas abaixo.

    - Quem tomou a iniciativa da negociação, Palmeiras, Grêmio, Barcos ou terceiros?
    - Quando surgiu a negociação?
    - Em quanto tempo foi fechada?
    - Quanto o Palmeiras recebeu?
    - Em quantas parcelas o pagamento será feito?
    - Haverá pagamento de comissão?
    - Quantos nomes o Palmeiras aceitou como parte do pagamento?
    - Quais os nomes?
    - Quais deles seriam por empréstimo?
    - Quais deles seriam em definitivo?
    - Quais deles o Palmeiras teria parte dos direitos?
    - Por quanto tempo cada jogador assinaria?
    - Somados, os salários desses jogadores seria menor do que o de Barcos?
    - Os nomes foram acordados de imediato?
    - O Palmeiras negociou com os jogadores antes de liberar Barcos?
    - Quando houve a coletiva, com quantos jogadores/empresários dos gremistas o Palmeiras já havia conversado/fechado?
    - Por contrato, o Palmeiras ficou resguardado em caso de não acertar com um ou mais nomes?
    - Qual compensação o Grêmio daria em caso de um ou mais nomes não acertarem?
    - Em caso de valor em dinheiro, qual valor?
    - Qual era a dívida do Palmeiras com Barcos?
    - Qual era a dívida do Palmeiras com a LDU?
    - Por que liberaram o melhor jogador do time tão fácil?
    - Não levaram em conta o petencial dele no marketing?
    - Não levaram em conta o fato dele ser ídolo?
    - Quem negociou pelo Palmeiras?
    - O Presidente teve a oportunidade de vetar?
    - Por que a LDU não foi consultada?
    - Por que tanta pressa em reforçar um rival?
    - Como o Palmeiras fechou um negócio desses no escuro?
    - Pensa em pedir demissão caso seja comprovado que o negócio foi desastroso?

    Enviamos as perguntas através da PressFC, nova assessoria de imprensa do Palmeiras. A torcida aguarda ansiosamente pelas respostas.

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 15:15 , Anonymous Anônimo disse...

    Independentemente do que está escrito no blog do chamado Paulinho, se tem fundamento ou se não tem, nunca se esqueçam

    Paulinho = JK

     
  • Às 11 de fevereiro de 2013 18:59 , Anonymous Anônimo disse...

    Amigos, vamos com calma!

    O Blog do Paulinho levantou uma questão importante, porém -tem sempre um porém- de forma a agradar seu padrinho JK.

    A informação sobre o terreno, os incentivos e o prazo é tudo verdade, porém o que não foi dito é que quem vetou, engavetou, desdenhou do projeto foi o ilustre Sr. B1, ops, Arnaldo Luiz Tirone.

    E sabem por que?

    Porque quem desenvolveu, alinhavou e fechou o projeto e o negócio foi o Sr. Belluzzo.

    Um projeto que seria, tenho certeza disso, um divisor de águas no desenvolvimento das categorias de base do clube.

    E por que ele fez isso?

    Por pura VAIDADE!

    Por pura PICUINHA!

    Para agradar seu padrinho o nefasto MMC.

    Como dizia a propaganda de um grande jornal de SP, a gente pode enganar muita gente contando apenas a verdade...

    Ao amigo Marco:

    Obrigado pelas palavras, sempre que puder estarei aqui.

    Dinho Maniasi

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial