Observatório Alviverde

21/04/2018

O PROBLEMA É O ESQUEMA!



Palmeiras x Inter, amanhã, às 16 H é um jogo de suma importância para o Verdão!

Será como um termômetro medindo a temperatura do time de Róger Machado com a propriedade de expor claramente as perspectivas desta temporada.

O adversário por tradição é perigoso ainda que esteja de moral baixo e retornando à elite do futebol brasileiro após ter sido rebaixado no ano passado.

De maneira diversa em relação a todos os grandes rebaixados até então, o Inter retornou à elite cabisbaixo e sem conquistar o título.

Voltou apenas como vice-campeão e como parte integrante do pacote dos quatro classificados.

Este ano cumpriu uma campanha discreta no Gaúchão e acabou eliminado pelo maior rival, o Grêmio, nas quartas-de-final .

Há de se reconhecer, porém, que, em razão de tudo isso, a sua periculosidade aumenta e acende o sinal de alerta para o Palmeiras

Não obstante o que dissemos, o Colorado está vindo de uma traumática eliminação da Copa do Brasil para o Vitória, nos pênaltis, ainda esta semana.

É uma daquelas derrotas que levam os jogadores a compreender que a partir de agora, têm de dar tudo de si no Brasileirão, competição na qual o time começou muito bem derrotando o Bahia no Beira-Rio por 2 x 0.

Já o Palmeiras, mergulhado não propriamente em uma crise, mas em uma situação de instabilidade técnica e emocional preocupante, tem necessidade de vencer para que o time se afirme, recupere a confiança e volte a jogar o que sabe.

Tudo isso virá, automaticamente, na hipótese de um triunfo convincente sobre um adversário tradicional e muito perigoso, o Inter.

Independentemente das perseguições arbitrais (reais, absurdas e inevitáveis) que tanto desmotivam o elenco, o time, em campo, não tem rendido o que sabe, o que pode e o quem tem capacidade para render.

Nas entrelinhas percebe-se, claramente, que Róger Machado, ao menos até ontem, não havia conseguido impor um modelo de jogo, um padrão, uma forma de atuar.

Esperamos, porém, que nessa nova chance que recebe, ele consiga retirar de cada atleta tudo o que pode render e fazer com que o time também renda, em consonância com o seu melhor potencial.

O maior desses exemplos é Lucas Lima, jogador criativo e diferenciado com o qual Róger poderia demolir as defesas adversárias em face de seu imensurável talento, mas que não está sendo aproveitado com inteligência.

A atitude de Róger em relação à Lucas Lima me remete a Felipão quando exigia que Valdívia marcasse o tempo todo, obrigando-o a correr feito um maratonista... 

Extenuado, quase sem força para exercer a sua função primacial de armar o jogo e efetuar com correção o último passe e levar o time para seu objetivo maior, os gols, Valdívia começou a apresentar seguidas contusões. 

O resto da história todo mundo sabe. Perdermos o melhor jogador das últimas décadas!

Róger Machado, guardadas as devidas proporções também exige que Lucas Lima atue fora de suas melhores características de construtor de jogadas e se torne mais um defensor de um time cujo técnico, talvez por sua de posição de origem, tem fixação em marcar e privilegia o defensivismo, no melhor estilo da escola gaúcha.

Lucas Lima tem jogado (muito mais) atrás, no setor defensivo, quando se sabe que, no Santos, ele atuava da frente de sua intermediária para o ataque.

No Santos, além de habilitar os companheiros para as finalizações, ele próprio chegava de frente como elemento surpresa e arrematava, marando muitos gols.

É de estarrecer ver o desperdício da utilização de um jogador dessa técnica e dessa qualidade, atuando atrás dos volantes e cobrindo a lateral esquerda quando a falta de conexão entre o meio de campo e o ataque (clara e nitidamente) tem sido o maior problema ofensivo palmeirense. 

A mesmice e a pasmaceira tem sido a característica do trabalho de Róger que prefere não mexer na escalação nem por um decreto do presidente e nem mudar a maneira de atuar  da equipe, ainda que esteja vendo que as coisas não estão dando certo.

O exemplo maior é Edu Dracena que, apesar da veteranice, ainda é o melhor e mais experiente zagueiro com que o Palmeiras pode  contar, um líder em campo que, embora apto para o jogo há mais de um mês, continua esquentando o banco.

O resultado dessa teimosia e obstinação da parte do treinador segue estampado não apenas nos resultados em campo, mas na falta de produtividade e no mau futebol apresentado, fatores esses que colocam o Palmeiras na vala comum dos times medianos.

Outro dia o brilhante Marco palmeirense da melhor cepa, expôs neste espaço que considerava -sim- o elenco do Palmeiras um dos melhores do país.

Ainda que -respeitosamente- discordando dele e de quem pensa dessa forma, eu quero ressaltar que se a minha tese de time mediano estiver errada e a dele de elenco acima da média estiver certa, acentuam-se a culpabilidade e a deficiência do treinador.

Penso assim; se nem com um elenco qualificado ele consegue acertar, o que seria, então, se o elenco fosse de menor categoria? Então me pergunto: Será que estamos enxugando gelo?

O fato é que, premido pelas circunstâncias e ameaçado de perder o cargo, Róger, esta semana, deu sinal de vida, acordou,  reagiu, e, finalmente, começa a lançar mão de iniciativas e providências que, de há muito deveria ter adotado.

Finaaalmeeenteee recoloca Edu Dracena (36 anos) que deve fazer uma espécie de revezamento de posições com Antonio Carlos no miolo da área, pela direita e pela esquerda, sacrificando o jovem Thiago Martins que volta à condição de reserva pois por tudo o que mostrou até agora, ainda tem muito a aprender.

Na lateral esquerda mantém Diogo Barbosa que tira um pouco a ofensividade do time em face, primeiro, do fato dele ainda estar se adaptando ao time e sem total confiança, tanto e quanto da característica mais ofensiva de Vitor Luís que vinha respondendo muito bem pela posição.

Em todo caso a manutenção de Barbosa, em face de sua característica (ao menos até agora) de atuar mais atrás, fixo e apoiar só na boa, torna o time menos vulnerável pelo lado esquerdo da defesa.

No meio de campo Felipe Melo, malgrado a sua lentidão e o fato de só conseguir render bem com a bola nos pés, continua titular.

Ele tem a mania de atuar muito mais do meio de defesa para o setor esquerdo, embolando com Bruno Henrique que também gosta de atuar ali e até com Lucas Lima, canhoto e obrigado pelo esquema a voltar o tempo todo para defender.

Por questão de instinto, Lucas Lima também opta, invariavelmente, a jogar nesse setor, o que fez com que o Palmeiras, (faz tempo), se tornasse um time penso e embolado pela esquerda, muito embora, na hora de atacar, vire sempre o jogo para trabalhar com Dudu pelo lado direito do campo e uma ou outra vez (muito menos) com Keno, pela esquerda.

Em razão desse esquema torto há como que um latifúndio para os adversários explorarem no lado direito da defesa palmeirense. Justamente alí se encontram as maiores vulnerabilidades do time de Róger.

Reparem como a maioria dos gols dos adversários nascem exatamente por este setor em face da necessidade constante de Antonio Carlos ter de sair da área para cobrir Marcos Rocha cujo forte é o apoio, não a marcação.

Essa situação só não ocorre quando Keno troca com Dudu e atua pelo lado direito pois Dudu joga mais esperando a bola do que na marcação, ao contrário de Keno que volta para marcar e apesar do vai e vem constante sempre tem muito gás para realizar a dupla jornada.

O grande problema de Keno voltar tanto é que quando ele recua para dar combate, marcar e cobrir a lateral, o Palmeiras perde a perspectiva de contra-atacar e chegar ao gol explorando aquele que talvez seja o atacante de maior velocidade do futebol brasileiro na atualidade.

Róger ainda pensa se irá ou não sacrificar Lucas Lima retirando-lhe a titularidade. Eu, particularmente, não o faria, posto que o substituto mais cotado, Guerra, contundido no quadril, está vetado pelo Departamento Médico.

Há, também, a possibilidade de Moisés voltar ao time, mas qual Moisés? Aquele de 2016 ou aquele que voltou da contusão neste início de 2018?

Moisés está sem ritmo de jogo e por via das dúvidas entendo que deva ser lançado aos poucos até readquirir plena confiança e voltar a render em consonância com o seu imenso potencial.

Se não estiver ocorrendo algum problema entre Lucas Lima/Róger (viram a cara de LL quando substituído contra o Bota?) e se tudo estiver correndo dentro da normalidade de relacionamento, Lucas Lima, cobrado e motivado pelo treinador, tem de continuar jogando. E se ele, de repente se motivar e resolver jogar tudo o que sabe?

Se não render, é simples, banco! Com pouco tempo de jogo se saberá se ele está ou não a fim de jogar!  

Se não estiver que entre então o Moisés, embora, na atual circunstância eu, particularmente, promoveria o retorno de Tchê-Tchê, versátil, eclético, um jogadoraço para qualquer função que não exija físico forte ou estatura elevada. 

Tchê foi muito criticado e até a cabeça dele chegaram a pedir, embora ele tenha sido mais um atleta cerceado em sua criatividade e  atrapalhado pelo esquema.

A entrada de Borja comandando o ataque é imperiosa considerando-se a experiência, a presença, o faro de gol e a boa capacidade de finalização desse jogador em uma eventual necessidade de utilização do jogo aéreo.

Borja é outro exemplo de que o esquema de Róger não é bom para alguns jogadores, haja vista que, na Seleção da Colombia, ele é um jogador diferente e muito mais produtivo do que no Palmeiras.

Há tempos venho pensando nisto, mas só hoje me ocorre divulgar: 

Temo que se Felipe Melo começar a jogar mal e não render nem o pouco que vem rendendo, ele não será substituído. 

Mesmo longe, tenho a impressão que Róger Machado tenha receio de sacá-lo do time -ainda que necessário- em face do temperamento dominador e agressivo desse atleta. 

Se ele peitou Cuca, por que não haveria de peitar Róger, caso julgue necessário?  

Para o jogo de amanhã este é o mais provável time do Palmeiras: 

Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo; Keno, Bruno Henrique, Moisés (Lucas Lima) e Dudu; Borja.

Seria este o melhor time possível para enfrentar o perigoso adversário gaúcho?

COMENTE COMENTE COMENTE



14 Comentários:

  • Às 21 de abril de 2018 07:11 , Anonymous verde insuperável disse...

    Deixar nosso campeão Tchê Tchê no banco, e escalar o curica Bruno Henrique, e prá cabar !!!!

     
  • Às 21 de abril de 2018 07:38 , Anonymous verde insuperável disse...

    Também penso que o elenco é bom, e e o "tenico" mediano. E põe mediano nisso ! Mas antes de demitir o inepto, ou concomitante, eu me livraria do corretor. Esse cidadão foi o responsável maior por todas as onerosas e inacreditáveis contratações, a peso de ouro, tudo jogado no lixo ! Inclusive de técnicos sem a mínima condição de reger um Palmeiras. Esse gordinho esperto fez tudo isso para manter seu domínio, facilitando suas "corretagens" suspeitas. Mas Ney já falou muito sobre isso...O que eu quero, digo, exijo, é um Time que pratique o Futebol. Digno do Palmeiras e de alguns dos jogadores que compõem o elenco. É possível um desempenho de alta performance. Desde que o diretor da Companhia, e o regente, tenham a capacidade que os dois precisados já demonstraram que NÃO TÊM. A HORA É AGORA: OU UMA VITÓRIA CONVINCENTE CONTRA O ARROGANTE TIME GAÚCHO, OU, NECESSARIAMENTE, QUE A SANEADORA GUILHOTINA CEIFE ESSES DOIS PESCOÇOS.

     
  • Às 21 de abril de 2018 07:41 , Anonymous verde insuperável disse...

    tenham a capacidade que os dois precitados.....

     
  • Às 21 de abril de 2018 07:44 , Anonymous verde insuperável disse...

    Sonho com Luxa. Ainda acredito que ele seria capaz de montar um daqueles times maravilhosos que foram motivo de orgulho do Palmeiras e dos Palmeirenses.

     
  • Às 21 de abril de 2018 07:46 , Anonymous verde insuperável disse...

    Por ora, tenho dito !!

     
  • Às 21 de abril de 2018 10:48 , Anonymous Roberto disse...

    Na moral, é inconcebível em pleno 2018 alguém achar que Luxemburgo dá liga ainda como técnico. Me é nos poupe né. E outra coisa também, o dono do blog tem hora que é contra o roger, tem hora que é a favor. Esse blog já foi o melhor. Hoje caiu no descrédito em termos de opiniões, seja do blogueiro seja dos que comentam. Um pior que o outro.

     
  • Às 21 de abril de 2018 11:40 , Blogger Ester Abea disse...

    amigos

    a. amigo Roberto: este blog CONTINUA fenomenal, excepcional

    b. Luxa ou nao-Luxa? Nao sei...o Luxa é bom, mas decadente. Sabe ajustar times e nao tem medo de egos. Sabe jogar decisoes. Tem pontos a favor e contra...

    CONTUDO: querer entrar na "crise"só por que a imprensa marrom mandou é burrice. O Roger nao é tao ruim, inobstante nao ter a grandeza necessária para o Palmeiras.

    c. nao vamos entrar no sonho da imprensa marrom:

    c.1 fomos, disparado, o melhor clube do paulistinha mais sujo da Historia. O que aconteceu na final mais imunda de todas foi um roubo, que ficará na História. Daqui a 50, 60 anos ainda lembrarao do lance em que o juizeco deu o penalty e voltou atrás depois de 8 minutos, mandado pelo seu patrao(RGT)

    c2. na difícil chave da suja Libertadores somos o 1o colocado

    c3. temos tudo para avançar na Copa do Brasil, enquanto clubes arrogantes e preferidos pela imprensa foram eliminados da maneira mais vexatória possível

    Enfim, se ficarmos nervosos e entrarmos na "crise" fabricada pela imprensa suja estaremos sendo burrinhos

     
  • Às 21 de abril de 2018 14:50 , Anonymous STM disse...

    Com o título, "O Problema é o Esquema" AD foi brilhante.
    Resume tudo.
    Alguns esquemas está na mão do técnico resolver... outros esquemas, que já contaminou o país em todas as esferas, está difícil de resolver.
    Abs!

     
  • Às 21 de abril de 2018 17:52 , Anonymous Felipe Melo disse...

    Vamos colocar o Felipe Melo de técnico. Ele tem liderança e já manda no time mesmo.
    Como bônus, não o teremos dentro de campo.

     
  • Às 21 de abril de 2018 18:09 , Anonymous Luxemburro disse...

    Jailson
    Marcos Rocha
    Edu Dracena
    Antonio Carlos
    Diogo Barbosa
    Thiago Santos
    tche Tche
    Moisés
    Lucas Lima
    Dudu
    Borja

    Thiago Santos na função de quase um zaqueiro jogando a frente da Zaga... Tche² e Moises dano saída e proteção a zaga... Lucas Lima como um 3º atacante. Laterais avançados.

     
  • Às 21 de abril de 2018 20:58 , Blogger lucchesi disse...

    Como uma sequencia de jogos,e um em especial,que houve um roubo descarado, pode comprometer o planejamento de um ano inteiro.
    Achei as colocações do Observatório perfeitas, mas veja a importância de um jogo contra o Curintia pode repercutir no clube e nos jogadores.
    O Sr Galiotte deveria ter em mente e os jogadores também,que aconteça o que acontecer NÃO PODEMOS PERDER sob hipótese nenhuma para estes caras.
    Agora o técnico já está sob pressão, uma pena, mas é agora que a diretoria tem que bancar isto e não entrar nos comentários desta imprensa marrom.

     
  • Às 21 de abril de 2018 23:13 , Blogger Libertad disse...

    Alcides depois do seu comentário não tenho nem o que dizer..!
    Vejo da mesma forma sobre o posicionamento dos volantes, e sobre o neurotico F. Mello,

    Vcs já imaginaram, a copa do Brasil pagará 50 milhões ao campeão, imaginem o que farão para os falidos gambás vencerem..!
    Nei.

     
  • Às 22 de abril de 2018 08:03 , Blogger Irineu Curtulo disse...

    Seria também a minha escalação

     
  • Às 22 de abril de 2018 09:27 , Anonymous Cláudio de MG disse...

    Bom dia, Palmeirenses!

    Gostei do comentário do Lucchesi. Penso exatamente assim. Prefiro ganhar um Campeonato Paulista ("paulistinha" NAO, NÃO e NUNCA)sobre os imundos, do que vencer uma Libertadores sobre o Boca.

    Acho que o Roger e metade do elenco, ainda não sabem o valor e tamanho deste clássico.

    Se Roger e elenco passarem a ter noção do que significa SEP X SCCP, passarão a ter meu apoio.

    Do contrário...

    PS: Caro Lucchesi, participe mais aqui. Este é, disparado, o melhor espaço palmeirense do Brasil.

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial